Papa diz que eutanásia e casamento gay afetam a paz mundial

Papa diz que eutanásia e casamento gay afetam a paz mundial

"Quem quer a paz não pode tolerar atentados e delitos contra a vida", disse.

O Papa Bento XVI atacou o aborto, o casamento gay e a eutanásia, que segundo o pontífice colocam em perigo a paz, na mensagem que será lida no primeiro dia do ano por ocasião da Jornada Mundial da Paz, divulgada com antecedência pelo Vaticano.

"Os que trabalham pela paz são os que amam, defendem e promovem a vida em sua integridade", escreveu o papa na mensagem que será lida em todas as paróquias no dia 1º de janeiro de 2013.

"Aqueles que não apreciam suficientemente o valor da vida humana e, em consequência, defendem por exemplo a liberação do aborto, talvez não percebam que, deste modo, propõem a busca de uma paz ilusória. (...) A morte de um ser inerme e inocente nunca poderá trazer felicidade ou paz", afirma o Papa.

"Quem quer a paz não pode tolerar atentados e delitos contra a vida", completou.

"Qualquer agressão à vida, em especial em sua origem, provoca inevitavelmente danos irreparáveis ao desenvolvimento, à paz e ao meio ambiente", diz o pontífice.

"Como é possível pretender conseguir a paz, o desenvolvimento integral dos povos ou a própria salvaguarda do ambiente, sem que seja tutelado o direito à vida dos mais frágeis, começando pelos que ainda não nasceram?", questiona o chefe da Igreja Católica.

"Tampouco é justo codificar de maneira sub-reptícia falsos direitos ou liberdades, que, baseados em uma visão reducionista e relativista do ser humano, e por meio do uso hábil de expressões ambíguas encaminhadas a favorecer um suposto direito ao aborto e à eutanásia, ameaçam o direito fundamental à vida", adverte.

Na mensagem, o Papa elogia os "artesãos da paz" e pede a construção da paz "por meio de um novo modelo de desenvolvimento e de economia".

Bento XVI afirma que "para sair da atual crise financeira e econômica, que tem como efeito um aumento das desigualdades, são necessárias pessoas, grupos e instituições que promovam a vida, favorecendo a criatividade humana para aproveitar inclusive a crise como uma oportunidade de discernimento e um novo modelo econômico".

Ele convida os católicos a "atender à crise alimentar, muito mais grave que a financeira" e a apoiar os agricultores para que desenvolvam sua atividade "de modo digno e sustentável".

O Papa reitera na mensagem que "a paz não é um sonho, não é uma utopia: é possível".

Fonte: G1