Paquistanês é suspeito de roubar 252 iPhones 5 de loja em Londres

A carga vale cerca de £ 170 mil (cerca de R$ 520 mil) e foi levada em um Ford Mondeo cinza pelo rapaz.

Se a última sexta-feira (21) foi marcada por fãs de tecnologia lotando lojas da Apple para comprar unidades do iPhone 5 - que já começou a ser vendido em alguns países -, também chamou a atenção pela quantidade de indivíduos que burlaram seguranças e roubaram vários dos novos smartphones. E os casos se passam em diferentes partes do mundo.


Paquistanês é suspeito  de roubar 252 iPhones 5  de loja em Londres

Na Inglaterra, o paquistanês Usman Sethi, de 23 anos, está sendo acusado de ter roubado 252 iPhones 5 da loja de telefonia móvel onde ele trabalhava, em Londres. De acordo com a estimativa da polícia, a carga vale cerca de £ 170 mil (cerca de R$ 520 mil) e foi levada em um Ford Mondeo cinza pelo rapaz.

Portos e aeroportos foram alertados para o caso de o suspeito tentar deixar o país.

O curioso é que os 252 iPhones 5 eram todos os que a loja, da operadora O2, tinha encomendado com a Apple para este primeiro dia. Por isso, muitos clientes que já haviam feito reservas para adquirir o produto receberam telefonemas dizendo que a ?entrega seria adiada?. O ladrão ainda é acusado de roubar uma quantidade em dinheiro do local.

No Japão, também houve um caso semelhante. A polícia de Osaka recebeu denúncias de três lojas da região que se tornaram alvos de bandidos que tentavam levar unidades do iPhone 5. Em uma delas, 33 aparelhos sumiram misteriosamente. Em outra, foram 42. Na terceira, 116.

Os criminosos, que levaram os mais de cem aparelhos desta terceira loja, porém, foram identificados por câmeras de circuito interno e estão sendo procurados. A loja não chegou nem a abrir na sexta, já que perdeu todo o estoque de iPhone 5 que tinha para oferecer aos clientes.

O barulho que se fez em cima do novo smartphone da Apple deixou ligados também as pessoas mal intencionadas destes locais. Resta torcer que o mesmo não aconteça no Brasil, nem em lojas e nem nas ruas, quando o aparelho aparecer por aqui.

Fonte: G1