Paquistão vai apurar queda de avião que matou 127 pessoas

Paquistão vai apurar queda de avião que matou 127 pessoas

Parentes em luto reivindicam os restos mortais de seus familiares.

Autoridades paquistanesas prometeram neste sábado (21) uma investigação completa sobre o acidente em um vôo doméstico que matou 127 pessoas na sexta, dizendo que eles estavam examinando todas as possibilidades, de uma falha técnica até a idade do Boeing 737.

Parentes em luto que reivindicam os restos mortais de seus familiares em um hospital expressaram pesar e raiva sobre o acidente, ocorrido sob uma tempestade quando o avião se aproximava de Islamabad em um voo vindo de Karachi, centro comercial do Paquistãox. A polícia armada manteve a mídia fora do Instituto de Ciências Médicas na capital, onde os restos estão mantidos.

Com destroços espalhados por mais de um quilômetro quadrados em campos de trigo, autoridades informaram que não havia sobreviventes. Numa entrevista coletiva para a imprensa no sábado, Nadeem Khan Yousafzai, diretor-geral da Autoridade da Aviação Civil paquistanesa, disse que o avião foi bloqueado no sistema de aterragem por instrumentos, um sistema de abordagem que fornece a orientação de precisão para aeronaves, quando de repente caiu de 883m para 603m.

"Ele só foi para baixo, em um mergulho", disse ele. "Então, o contato foi perdido e desapareceu do radar. [...] O que aconteceu neste período é o que tem de ser investigado. Havia uma corrente descendente, houve uma falha de motor?"

O Boeing 737-200 tinha mais de 27 anos, de acordo com a AviationSafety.net. O primeiro-ministro Yusuf Raza Gilani, falando fora do hospital, disse: "Até que as investigações sejam concluídas, não podemos apontar qualquer conclusão."

O ministro do Interior Rehman Malik disse o dono de Bhoja Air, Farooq Bhoja, tinha sido impedido de deixar o país para garantir a sua cooperação com a investigação. "Serão tomadas medidas, e vocês verão, eu prometo a vocês", disse ele.

Fonte: G1