Pelo menos 24 morrem devido ao calor no centro e leste dos EUA

A primeira morte relacionada com o calor ocorreu em Kansas City.

O Serviço Meteorológico Nacional dos Estados Unidos ampliou nesta sexta-feira para 30 Estados os alertas para as altas temperaturas que atingem o centro e o leste do país e que, segundo a imprensa local, já causaram a morte de pelo menos 24 pessoas.



As autoridades elevaram para "vermelho" o nível de qualidade do ar, o que significa que a permanência ao ar livre é perigosa, especialmente para pessoas de idade avançada, com problemas cardíacos ou respiratórios e crianças.

Hoje será o dia mais quente em vários Estados da costa leste, de acordo com o Serviço Meteorológico. As altas temperaturas e o elevado índice de umidade do ar podem fazer com que a sensação térmica chegue, nas próximas horas, aos 46°C.

Em Nova Jersey, as autoridades informaram que cerca de 100 pessoas, a maioria adolescentes, sofreram desmaios por causa do calor em Camden, onde mais de 12 mil pessoas haviam se reunido para um show.

A onda de calor em Richmond, na Virginia, é a pior desde julho de 1995, e a umidade potencializada por chuvas recentes pode levar a sensação térmica nesta sexta-feira a até 49°C, indicaram os meteorologistas.

Em Raleigh, na Carolina do Norte, o termômetro alcançou nesta quinta-feira o recorde de 38,8°C registrado em 1952, e, segundo os meteorologistas, a sensação térmica foi de 42,2°C.

A primeira morte relacionada com o calor ocorreu em Kansas City, onde um homem de 57 anos não suportou as altas temperaturas. As autoridades informaram que outras 13 mortes relacionadas com o calor foram registradas no Missouri, incluindo duas mulheres com mais de 70 anos.

Em Fountain Prairie, no Wisconsin, um homem de 65 anos, com problemas de saúde, também morreu. Já em Oklahoma, foram confirmados quatro óbitos relacionados com o calor desde maio.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br