Piloto de acidente nos EUA fazia o seu 1º pouso com Boeing 777 no aeroporto

Avião sofreu acidente quando pousava em San Francisco; dois morreram

O piloto do avião da companhia sul-coreana Asiana Airlines que caiu em San Francisco, no sábado (6), estava fazendo seu primeiro pouso com um Boeing 777 no Aeroporto Internacional de San Francisco. As informações foram divulgadas pela empresa nesta segunda-feira (8).



De acordo com Lee Hyomin, porta-voz da empresa aérea, esta não era a primeira vez que ele voava para San Francisco. O piloto, Lee Kang-Gook, já voou de Seul para a cidade várias vezes entre 1999 e 2004 em outros modelos de aeronaves, segundo a agência de notícias Associated Press.

Lee Hyomin também afirmou piloto Lee Kang-Gook tinha cerca de 10 mil horas de voo de outros planos, mas teve apenas 43 horas no Boeing 777.

Investigadores de acidentes estão tentando determinar agora se o acidente foi provocado por erro do piloto, problemas mecânicos ou qualquer outra coisa.

O chefe do National Transportation Safety Board, órgão responsável pela segurança nos transportes, disse anteriormente que os pilotos estavam voando muito lentamente, enquanto se aproximavam do aeroporto e tentaram abortar o pouso.

Velocidade baixa

A velocidade do avião estava abaixo do ritmo normal no momento do pouso, que é de 137 nós, de acordo com a Reuters. Um alarme de "stall" foi ativado 4 segundos antes do impacto.

A presidente do NTSB afirmou ainda que os controladores aéreos não perceberam nenhum problema no voo até que a cauda do avião bateu na área de aproximação de uma passarela, próxima da pista de pouso.

As caixas-pretas do Boeing 777, com gravações da cabine do piloto e das informações do voo, foram recuperadas e enviadas a Washington para serem analisadas por técnicos. A Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) também investiga o acidente.

A Asiana Airlines, empresa que operava o voo, disse neste domingo que especialistas coreanos em acidentes estavam a caminho de San Francisco para ajudar na apuração. A companhia praticamente descartou a possibilidade de ter ocorrido uma falha mecânica.

A Asiana disse não poder apontar se a culpa foi dos pilotos, afirma a Reuters. Ainda neste domingo (7), a presidente do NTSB disse que não há indicação de que houve atentado terrorista ou ato criminoso que justificasse o acidente. Ela, no entanto, pediu cautela. "Tudo ainda está sobre a mesa", disse.

Os pilotos devem ser ouvidos nos próximos dias. Também devem ser analisados os dados das caixas-pretas, equipamentos de radar e outras informações que ajudem a identificar a causa do acidente, disse Hersman à emissora de TV "CNN".

Fotos tiradas por sobreviventes mostraram passageiros correndo para longe do avião, após o acidente. Uma espessa fumaça subia da fuselagem, e imagens de TV mostraram mais tarde o avião sem parte da causa e semi-destruído.

Instrumento desligado

Um instrumento do Aeroporto de San Francisco usado para ajudar pilotos na aproximação com a pista estava desativado na hora do acidente, disse a "CNN", atribuindo a informação a um boletim da Administração Federal de Aviação (FAA), entidade que fiscaliza o setor nos EUA.

Chamado de Instrumento de Sistema de Pouso (ILS, na sigla em inglês), o mecanismo está sendo analisado pelas equipes que investigam as causas do acidente. O ILS se integra com a cabine de comando do avião e ativa um sinal sonoro, emitindo alarme no caso de problema com a altura do voo, disse o consultor Mark Weiss à "CNN".

Weiss é piloto aposentado do mesmo modelo de avião que caiu em San Francisco, o Boeing 777. "Você escuta uma voz mecânica dizendo "muito baixo, muito baixo". É bom que funcione, mas não tem papel fundamental", afirmou.

Outros sistemas na aeronave tem função similar ("redundante", nas palavras do piloto) que fornecem avisos se o avião está em altura muito baixa, disse o consultor, que afirma ter pousado aeronaves deste tipo "centenas de vezes".

"Há vários sistemas que auxiliam os pilotos" no voo e no pouso, disse Deborah Hersman, diretora do Comitê Nacional Pela Segurança no Transporte, em entrevista à "CNN".

Duas mortes

As pessoas mortas no acidente com o avião da empresa Asiana Airlines são duas estudantes chinesas de 16 anos e foram identificadas, informou a agência de notícias Associated Press. Ye Mengyuan e Wang Linjia estudavam em uma escola no leste da China. Dos 291 passageiros do avião, 141 eram chineses.

A companhia sul-coreana não acredita que o acidente foi causado por falha mecânica. No entanto, a empresa recusou-se a dizer que a culpa do acidente foi por um erro do piloto - a Asiana afirmou que os três capitães da aeronave foram treinados em conformidade com os regulamentos coreanos e tinham mais de 10 mil horas de vôo de experiência.

"Por enquanto, nós reconhecemos que não houve problemas causados ​​pelo avião ou pelos motores", disse Yoon Young-doo, presidente e CEO da companhia aérea, em uma entrevista coletiva de imprensa neste domingo, na sede da empresa, informou a agência de notícias Reuters.

Fonte: G1