Queda de pequeno avião mata seis pessoas no Peru

Queda de pequeno avião mata seis pessoas no Peru

Mortos são quatro turistas britânicos e dois tripulantes peruanos.

Quatro turistas britânicos e dois tripulantes peruanos morreram neste sábado na queda de um monomotor com seis ocupantes no sul do Peru, perto das famosas linhas de Nazca.

"Todos os ocupantes estão mortos. O avião caiu depois de decolar do aeródromo María Reiche", disse um oficial da polícia de Nazca (460 km ao sul de Lima),.

O acidente ocorreu às 16h15 locais (19h15 de Brasília). O avião caiu a três quilômetros do aeródromo, sobre um campo de cultivo onde aparentemente tentou uma aterrissagem de emergência.

Policiais observam os destroços do pequeno avião neste domingo (3).Policiais observam os destroços do pequeno avião neste domingo (3). (Foto: AFP)

As idades dos mortos variam de 30 a 40 anos, segundo a polícia, que não divulgou suas identidades, apesar de supor que entre os turistas ingleses havia uma mulher.

O local do acidente foi isolado para facilitar o trabalho de resgate dos cadáveres por parte dos bombeiros. O avião ficou destroçado como consequência do impacto da queda.

Os turistas mortos realizavam um sobrevoo turístico sobre as linhas de Nazca, figuras gigantes desenhadas há 2.500 anos pela cultura pré-inca Paracas sobre a região desértica, e que representam animais estilizados, como macacos, aves e répteis que só podem ser vistos de cima.

O acidente é o primeiro desde um acidente semelhante, ocorrido em abril de 2008, no qual morreram cinco turistas franceses na queda de um avião no qual apreciavam as famosas figuras.

Os acidentes e aterrissagens de emergência nas rodovias próximas a Nazca - por não cumprimento das normas mínimas de segurança aérea - são comuns, apesar do zelo das autoridades com as companhias que promovem esse passeio.

Em 2008, ocorreram ao menos quatro acidentes nessa região.

Em Nazca, operam 40 aeronaves, com um movimento de passageiros superado apenas pelo aeroporto internacional de Lima, mas em uma área de operações tão pequena que os voos precisam ser coordenados para não se cruzarem.

Fonte: g1, www.g1.com.br