Rebeldes aumentam cerco a Trípoli e deixam Kadhafi mais isolado

Após seis meses de rebelião, a guerra civil parece ter entrado numa fase decisiva

Rebeldes líbios lançaram um ataque contra uma refinaria de petróleo nesta quarta-feira (17) para tentar expulsar as últimas tropas leais ao ditador Muammar Kadhafi remanescentes nos arredores de Trípoli e consolidar o cerco à capital.

Depois de 42 anos de poder supremo, Kadhafi parece estar isolado, com as forças rebeldes revigoradas fechando o cerco na capital a partir do oeste e do sul e cortando o acesso rodoviário a outros locais. Após seis meses de rebelião, a guerra civil parece ter entrado numa fase decisiva.

Em Zawiyah, que controla a principal rodovia ligando Trípoli à fronteira com a Tunísia, as forças de Kadhafi que esperavam quebrar o cerco tomaram o controle de uma refinaria de petróleo com franco-atiradores nos telhados de prédios altos.

"Há alguns franco-atiradores dentro da refinaria. Nós controlamos os portões da refinaria e lançaremos uma operação para tentar tomar o controle total em breve", disse o combatente rebelde Abdulkarim Kashaba.



Já em outros locais de Zawiyah, o clima era tranquilo na manhã de quarta-feira e sob controle rebelde. Na véspera, fontes médicas disseram que três pessoas haviam morrido e 35 ficaram feridas, a maioria civis.

Cada vez mais confiante, a liderança rebelde negou estar realizando negociações secretas com representantes de Kadhafi na vizinha Tunísia. O Conselho Nacional Transitório (CNT, formado por rebeldes) negou manter "negociações diretas ou indiretas com o regime de Kadhafi ou com o enviado especial das Nações Unidas", contrariando relatos de fontes. "É impensável realizar negociações ou discussões que contrariem esse princípio básico (de que Kadhafi deve renunciar)," disse o dirigente rebelde Mustafa Abdel Jalil.

Numa entrevista coletiva transmitida pela TV estatal líbia, o porta-voz governamental Moussa Ibrahim negou que as forças de Kadhafi estejam em fuga, mas admitiu que há combates em várias localidades que os rebeldes dizem ter conquistado.

"Cuidado com a campanha midiática que está tentando tornar os rebeldes maiores do que são," disse ele a repórteres líbios. "Alguns políticos estrangeiros já disseram que os dias deste regime estão encerrados e que ele precisa sair. Eles estão dizendo isso há seis meses, e ainda estamos aqui."

Fonte: g1, www.g1.com.br