Sandy: solidariedade alivia dificuldades dos nova-iorquinos

Sandy: solidariedade alivia dificuldades dos nova-iorquinos

A supertempestade Sandy, que começou como furacão, deixou pelo menos 100 mortos em oito Estados

O norte de Manhattan se tornou um verdadeiro campo de refugiados para o sul de Manhattan", afirma Jordan Elpern-Waxman, uma nova-iorquina que, como muitos outros, não tem água quente nem aquecimento em casa, e que teve de contar com a solidariedade dos outros cidadãos para passar por esse momento difícil vivido por Nova York.

Confira 12 fatos sobre a passagem do furacão Sandy pelos EUA

30/10 Sandy deixa rastro de destruição, mortes e escuridão nos EUA

29/10 Obama convoca reunião de crise: "prioridade é salvar vidas"

28/10 EUA: Sandy afetará 50 milhões . Bloomberg: vamos nos sair bem

27/10 Sandy recupera força de furacão e ameaça os Estados Unidos

Em uma cidade muitas vezes descrita como dura e egoísta, os habitantes poupados pela supertempestade Sandy correram para oferecer aos mais desafortunados eletricidade, uma refeição quente ou uma cama para a noite. Jordan Elpern-Waxman não tem eletricidade em seu apartamento no Lower East Side. Ele encontrou refúgio na casa da amiga Gina Shedid, no bairro Bushwick, Brooklyn, não afetado.

"Eu não tenho energia elétrica, nada de aquecimento, nem água quente. Decidi sair daqui porque tenho que ser capaz de trabalhar", disse. "Todo mundo em Manhattan abriga pessoas, é como se a parte alta de Manhattan tivesse se tornado em um campo de refugiados dos moradores do baixo Manhattan. Falei com Gina e ela me disse que tinha um quarto disponível", acrescenta.

Angie Dykshorn, uma fotógrafa de 36 anos, carregou seu celular em uma estação adaptada que funciona graças a uma bicicleta. Muitos lugares onde você pode recarregar seu celular estão disponíveis por toda a cidade. "Podemos conseguir uma refeição gratuita em alguns lugares", disse ela. "Na Charcoal BBQ, na Avenida C, por exemplo".

Outras empresas também se mostram solidárias

Bancos, supermercados e caminhões-restaurantes ofereceram suas tomadas elétricas para aqueles que precisam, as academias abriram seus vestiários, carteiros de bicicleta se organizaram para fornecer entregas.

Na internet, dezenas de pessoas ofereceram seus serviços em sites de anúncios, como o popular Craigslist. Brigada de limpeza "Eu coloquei uma plataforma suprimentos/alimentos/água no Upper West Side para atender o Lower East Side", escreveu Monica O""Malley em um site chamado "Occupy Sandy", em referência ao movimento anti-capitalista Occupy Wall Street, que ocupava há um ano o distrito financeiro da cidade. No edifício Melissa Maldonado-Salcedo no Lower East Side, muitas pessoas estão muito velhos ou muito frágil para ir.

"As pessoas já cozinharam tudo o que tinham em suas geladeiras, para que não se perdesse nada compartilharam", contou. "Eu vivo em um bairro inerte, mas na necessidade as pessoas se mobilizaram". Charlie O"Donnell, 33 anos, que dirige uma empresa de capital de risco, ajuda os outros a se "conectar". "Imediatamente após o furacão, entrei em contato com as empresas nas quais eu faço investimentos e as pessoas queriam saber se eu sabia de escritórios que poderiam ser usados", disse ele. Esta solidariedade traz lembranças: "Foi a mesma coisa após o 11 de setembro", disse Angie Dykshorn, evocando os atentados de 11 de setembro de 2001, "é difícil viver sem eletricidade, então contamos com os outros".

Fonte: Terra, www.terra.com.br