Senador relaciona casamento gay, poligamia e zoofilia; saiba

Hoje, a Câmara dos Representantes rejeitou uma proposta para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo

Um senador australiano renunciou nesta quarta-feira a um cargo parlamentar após provocar uma polêmica ao afirmar que legalizar o casamento homossexual é um passo para aceitar a poligamia e o bestialismo.

O líder da oposição, Tony Abbott, anunciou em entrevista coletiva que o senador Cory Bernardi não era mais seu secretário parlamentar. Hoje, a Câmara dos Representantes rejeitou uma proposta para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Abbott qualificou os comentários de Bernardi de "inaceitáveis" e acrescentou que apesar de ser uma pessoa conservadora e tradicional, a coalizão opositora está comprometida a não permitir que as minorias sexuais "não se sintam como estranhos em seu próprio país".

Bernardi disse ontem à noite durante um debate no Senado sobre a iniciativa para legalizar o casamento homossexual que o projeto era incentivado por "radicais" e que talvez o passo seguinte fosse aceitar uma união permanente de "três ou quatro pessoas".

"Há gente assustadora por aí...Que dizem que é normal relações sexuais consentidas entre humanos e animais. Este será o próximo passo? No futuro nós falaremos: "estas duas criaturas se amam e talvez elas possam constituir uma união"", afirmou Bernardi.

Suas declarações foram imediatamente criticadas por todas as tendências políticas. O conservador Malcolm Turnbull as classificou como "ofensivas", "extremas" e "histéricas".

A Câmara dos Representantes e o Senado estão analisando quatro projetos de lei para legalizar o casamento homossexual entre pessoas do mesmo sexo.

Nesta quarta-feira a Câmara dos Representantes da Austrália se opôs de forma arrasadora à aprovação (98 votos a 42) de um destes projetos, apresentado pelo trabalhista Stephen Jones.

A primeira-ministra australiana, Julia Gillard, opinou em várias ocasiões que considera que o casamento só pode ser constituído entre um homem e uma mulher, embora tenha afirmado que respeitará a decisão de seu partido.

A Austrália não reconhece o casamento homossexual, embora alguns estados e territórios do país admitam uniões civis de pessoas do mesmo sexo e discutam a permissão do casamento homossexual.

Fonte: Folha.com