Sobrevivente diz que terrorista tinha 'sorriso sórdido' no ataque

Godden conta que escapou fingindo que estava morto.

"Ele tinha um sorriso sórdido no rosto", diz Marcus Godden sobre o autor do atentado que deixou pelo menos 50 mortos na boate gay Pulse, em Orlando, na Flórida (EUA).

Sobrevivente do pior ataque a tiros da história americana recente, ele se sentia "aterrorizado" mais de 48 horas depois.

Godden conta que escapou fingindo que estava morto.

"Eu vi tudo, pessoas caindo, balas voando. Ele parecia mau, o tipo de pessoa que você não quer encontrar pela frente. Me fingi de morto e depois pulei um muro para fugir", contou Marcus.

Três quarteirões em torno da Pulse continuam isoladas por um cerco policial, enquanto dezenas de jornalistas de várias partes do mundo acampam nas proximidades à espera de novidades sobre a investigação.

Cercado de repórteres, Chris Hansen, outro sobrevivente do massacre, perdeu a conta das vezes que contou como conseguiu escapar da Pulse quando os tiros começaram.

"Pum, pum, pum!", relembrou. "No começo achei que era parte da batida da música, até perceber o que estava acontecendo".

Gritos gerais e todos se jogaram no chão.

Chris conta que chegou a ser pisoteado por frequentadores desesperados na rota de fuga, até se levantar e sair da boate.

Fora da Pulse, ele diz que continuou a ouvir tiros sendo disparados dentro da casa noturna. Questionado sobre o tempo que tudo durou, diz que foi "o tempo de uma música". Depois de se certificar que não havia sido atingido, Chris passou a ajudar as vítimas. Carregou vários feridos para longe da cena do crime.

"Quando eu percebi que o sangue não era meu e eu estava bem, senti que era obrigação ajudar", disse. "Tenho certeza de que essa tragédia vai fortalecer e unir a nossa comunidade."

Marcus Godden sobreviveu ao ataque em boate gay  (Crédito: Folhapress)
Marcus Godden sobreviveu ao ataque em boate gay (Crédito: Folhapress)


Fonte: Com informações: Folhapress