Talibã assume ataque a caminhões no Paquistão

Otan lamentou a morte de soldados paquistaneses em um ataque.

Militantes do Talibã paquistanês incendiaram cerca de 20 caminhões que levavam combustível para as forças internacionais que atuam no Afeganistão na madrugada desta segunda-feira (4). É o terceiro ataque do tipo em três dias, informou a polícia.

O ataque ocorreu em uma linha de abastecimento fechada por autoridades paquistanesas em protesto por um ataque de um helicóptero da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que matou três soldados paquistaneses na fronteira na semana passada. A Otan lamentou nesta segunda-feira (4) as mortes. Ao mesmo tempo, exortou Islamabad a reabrir a estrada que leva ao Afeganistão para a passagem de suprimentos para a Aliança Atlântica.

O fechamento, que aumentou as tensões entre Washington e Islamabad, foi recebido com aprovação por grupos islâmicos opostos ao apoio paquistanês à guerra encabeçada pelos Estados Unidos no Afeganistão.





O policial Umer Hayat disse que duas pessoas perderam a vida no ataque das primeiras horas da segunda-feira, perto de Islamabad. Segundo ele, o ataque foi promovido por "terroristas".

Os agressores teriam aberto fogo em caminhões estacionados em um terminal mal resguardado. Os talibãs paquistaneses, que a semana passada ameaçaram mais ataques à linha de abastecimento, assumiram a responsabilidade em uma ligação telefônica a um repórter da agência de notícias Associated Press. Seu porta-voz disse que o grupo criou uma nova ala especial para atacar aos comboios e que "continuará até que os abastecimentos se detenham totalmente".

Os caminhões se dirigiam ou estavam por partir para o cruzamento fronteiriço de Torkham, ao longo do afamado passo Khyber, que é utilizado para fornecer combustível, veículos militares, refeições, roupa e outras provisões às tropas estrangeiras no Afeganistão. A outra rota principal entre o Paquistão e o Afeganistão, pelo povoado de Chaman no sudoeste, permanece aberta.

Mesmo que a Otan e os Estados Unidos tenham outras rotas de abastecimento ao Afeganistão, as da fronteira com o Paquistão são as mais baratas e convenientes. A maioria dos abastecimentos, que não armamentos, é transportada por território paquistanês depois de ser desembarcada em diques de Karachi, uma cidade portuária do sul.

Na sexta-feira, um dia depois do fechamento da rota pelo passo Khyber ao tráfico de veículos da Otan e dos Estados Unidos, houve dois ataques contra caminhões de petróleo que se dirigiam ao país, um dos quais foi reivindicado pelo Talibã paquistanês.

Fonte: g1, www.g1.com.br