Tour oficial para jornalistas mascara situação da Líbia

Com a chegada do grupo, os lojistas rapidamente expunham os retratos de Muammar Gaddafi

Em uma cidadezinha pacata perto do município líbio de Zawiyah, onde os rebeldes travam uma batalha cada vez mais dura contra as tropas do governo, uma sensação de inquietude paira no ar por trás da fachada de tranquiliade.

Os jornalistas estrangeiros em Trípoli, impedidos pelo governo de chegar a Zawiyah e a outros locais em confronto, foram levados na quarta-feira a Janzour, cerca de 40 quilômetros a leste de Zawiyah, numa viagem oficial destinada a mostrar a normalidade da vida no dia-a-dia.

Com a chegada do grupo, os lojistas rapidamente expunham os retratos de Muammar Gaddafi e a bandeira verde da Líbia. Os pedestres paravam para cantar músicas elogiando o líder líbio.

Os ""guias"" oficiais observavam enquanto os jornalistas entrevistavam a população local no centro de Janzour, onde as lojas seguiam bem abastecidas e as fachadas das casas não exibiam nenhum grafite anti-Gaddafi, como ocorre em outras áreas mais rebeldes.

"O povo líbio não pode viver sem Gaddafi," disse o professor Ayman Oun, enquanto outro homem colocava uma foto de Gaddafi na frente de uma loja.

"Ele vai nos proteger. Ele é excelente. Ele nos deu muitas coisas," disse Oun.

Por detrás das cenas do cotidiano, porém, alguns moradores não conseguiam esconder a ansiedade.

Um jovem apareceu na janela de um ônibus público enquanto o veículo aguardava o sinal abrir e disse rapidamente:

"Meu tio está em Zawiyah. Ele ainda está lá. A situação está ruim, muito ruim." Ele fechou o punho e disse à Reuters: "A Líbia ficará livre."

Obter informações sobre Zawiyah tem ficado cada vez mais difícil. As linhas telefônicas da cidade foram cortadas. O governo nega o uso de força militar contra civis e diz que combate uma insurgência da Al Qaeda no país.

O governo disse aos jornalistas estrangeiros convidados a ir a Trípoli no final de fevereiro que eles poderiam trabalhar com liberdade. A movimentação deles, porém, tem se tornado cada vez mais restrita. Os que tentaram ir para Zawiyah e a outros lugares de forma independente foram detidos.

Reduto rebelde perto de Trípoli, a cidade de Zawiyah fica a apenas uma hora de carro para o oeste. Ela fica perto de uma refinaria de petróleo e tem importância estratégica. O Exército agora aperta o cerco contra o último bolsão de resistência rebelde no centro de Zawiyah.

Fonte: Terra