TV diz que condenada ao apedrejamento não foi libertada. Confira!

TV diz que condenada ao apedrejamento não foi libertada. Confira!

Segundo rede estatal de TV, Sakineh fez apenas a reconstituição do crime.

A iraniana Sakineh Mohamadi-Ashtianí, condenada por adultério e cumplicidade no assassinato de seu marido, teria deixado a prisão apenas por algumas horas para fazer a reconstituição do crime e não foi libertada, informou a rede estatal de TV ?Press TV?, nesta sexta-feira (10).

Na quinta (9), as agências divulgaram uma série de fotos que supostamente mostram a iraniana, condenada a morrer apedrejada, em liberdade.

"Ao contrário da vasta campanha de publicidade da mídia ocidental sobre que a assassina confessa tinha sido libertada", ela continuava sob custódia, disse o site da TV.

O governo do Irã não confirmou a libertação.

A rede de TV iraniana informou ainda que a história completa irá ao ar nesta sexta durante o programa ?Irã hoje?. Participaram da gravação, segundo a emissora, o filho de Sakinhe, Sajad Ghaderzadeh, e seu advogado, Javid Houtan Kian, que de acordo com a rede estatal permanecem presos e também não foram libertados.

O Comitê Internacional Antiapedrejamento, ONG alemã que acompanhava o caso, havia informado nesta quinta sobre a libertação da iraniana. Seu filho e seu advogado também teriam sido soltos, disse a ONG.

Sakineh, de 43 anos, foi condenada em 2006 a dez anos de prisão por participação no assassinato de seu marido com um de seus amantes, e condenada à morte por apedrejamento por vários adultérios, segundo as autoridades iranianas.

Sua condenação foi reduzida em 2007 a 10 anos de cadeia, após uma apelação, mas a sentença do apedrejamento foi confirmada por outro tribunal de apelação. Atualmente, sua pena passa por uma revisão.

O caso veio a público em julho passado e provocou uma onda de protestos no Ocidente, com pedidos para que a sentença não fosse aplicada.

O Irã acusa o Ocidente de usar o caso como arma de propaganda, transformando um ?caso simples? em um meio de pressionar o governo do presidente Mahmud Ahmadinejad, criticado por supostas irregularidades eleitorais e desrespeito aos direitos humanos.

Em julho, o presidente Lula, após inicialmente dizer que não intercederia por Sakineh, apelou a Ahmadinejad para que Sakineh fosse recebida no Brasil. Em 3 de novembro, a presidente eleita, Dilma Rousseff, disse que o apedrejamento seria ?uma coisa bárbara?.

Fonte: g1, www.g1.com.br