Um em cada 5 divórcios envolve Facebook nos EUA

Pesquisa mostra que 66% dos advogados especializados em dívórcio já utilizam a rede social como fonte primária de evidência contra parceiros que traem

A era do batom no colarinho ou da conta de motel no cartão de crédito pode ser coisa do passado. Agora, um em cada cinco divórcios envolve a rede social Facebook. A pesquisa, realizada pela Academia Americana de Advogados Matrimoniais, mostra que 80% dos advogados especializados em divórcio reportaram um aumento no número de casos que usam a rede social como evidência de que o parceiro cometeu adultério.

Mensagens e fotos postadas no Facebook estão sendo citadas mais e mais como prova de ?diferenças irreconciliáveis?. Muitos casos giram em torno de usuários que aproveitam a rede social para entrar em contato com antigos namorados ou namoradas dos quais não tinham ouvido falar há anos.

Pelo menos 66% dos advogados citaram o Facebook como fonte primária de evidência em um caso de divórcio. Em segundo lugar aparece o MySpace com 15% e o Twitter, 5%.

Reprodução Internet

Sites que dão conselhos a quem está se divorciando também culpam Facebook

Para reforçar esses dados, há casos que ganharam as páginas das revistas de fofoca recentemente. A atriz Eva Longoria, da série de TV ?Desperate Housewives?, separou-se do jogador de basquete Tony Parker, após alegar que ele a havia traído com uma mulher com quem mantinha contato via Facebook.

Nos Estados Unidos, o reverendo Cedric Miller, da Igreja Fraternidade Cristã do Mundo Vivo em Nova Jersey, chegou a chamar o Facebook de ?portal para a infidelidade? e pediu que todos os membros da congregação fechassem suas contas. Segundo ele, 20 casais da igreja haviam quebrado seus votos de ?até que a morte os separe? através do site. Curiosamente, ele mesmo teve que engolir o que disse: suas próprias transgressões - incluindo sexo a três - vieram a público via Facebook. Em fundção disso, ele teve que tirar uma licença.

Os resultados do levantamento são bem semelhantes a uma pesquisa feita por um escritório de direito no Reino Unido, mostrando que 20% das petições de divórcio colocavam a culpa de infidelidades no Facebook.

"Quanto mais as pessoas continuam dividindo aspectos de sua vida nas redes sociais, elas ficam mais abertas a um escrutínio de sua vida pública e privada e podem cair em situações como essa", afirmou Marlene Eskind Moses, da Academia Americana de Advogados Matrimoniais, ao jornal britânico "Daily Mail".

"Se você está atravessando um processo de divórcio e postou informações que vão contradizer algo que foi dito em documentos legais, é claro que poderá ser usado como evidência contra você".

O terapeuta de casais Terry Real disse que, na maioria dos casos, as pessoas usam o Facebook para criar uma "vida de fantasia" e escapar da aridez do dia a dia. "O que é mais atraente, uma pessoa que está longe e com quem se pode sonhar ou aquela com a qual você tem que discutir as contas da casa?", disse ao programa "ABC News", da televisão americana. Real enfatizou, porém, que é errado colocar a culpa no Facebook. "Antes era o e-mail e antes disso, o telefone. A culpa não é do Facebook é da falta de amor".

O site Friends Reunited também enfrentou acusações semelhantes quando foi lançado ? já que seu objetivo era ajudar pessoas a se reconectar com antigos colegas de escola. Agora que o Facebook tem mais de 500 milhões de usuários, o seu efeito acaba sendo maior nos índices de divórcio.

Fonte: g1, www.g1.com.br