Vaticano afasta "bispo esbanjador" que gastou cerca de 31 milhões de euros

Vaticano afasta "bispo esbanjador" que gastou cerca de 31 milhões de euros

Alvo de críticas na Alemanha, ele deixa cargo por período indeterminado

O Vaticano ordenou nesta quarta-feira (23) que o bispo alemão acusado de gastar com luxo deixe a diocese por um "período indeterminado", após o escândalo provocado pelo custo de sua residência.

Franz-Peter Tebartz-van Elst é alvo de críticas por seus gostos caros, e sua renúncia era exigida por muitos alemães.

A decisão, que representa quase uma demissão, foi tomada contra o bispo de Limburg dois dias após um encontro dele com o Papa Francisco para discutir o escândalo na Igreja da Alemanha, num momento em que o pontífice busca ressaltar a importância da humildade e de servir aos pobres.

Tebartz-van Elst, de 53 anos, foi acusado de ter realizado a construção de uma onerosa sede episcopal, com museu, sala de conferências, capela e apartamentos privados.

O projeto, decidido por seu antecessor, custava 5,5 milhões de euros, mas os gastos da obra aumentaram notavelmente, alcançando 31 milhões de euros.

Segundo os meios de comunicação alemães, o religioso gastou para sua banheira pessoal 15 mil euros, sem falar de uma sala de jantar de 63 metros quadrados de quase 3 milhões de euros.

Em setembro, o Vaticano enviou a Limburgo o cardeal italiano Giovanni Lajolo, que deve elaborar um relatório.

O caso do "servidor mais caro de Deus", como foi apelidado, gera muito interesse na Alemanha, país onde as igrejas se beneficiam de um imposto, razão pela qual gozam de fundos consideráveis.

A Igreja Católica alemã, entre as mais ricas do mundo, costuma financiar muitas associações, escolas, missões e projetos de desenvolvimento.

Desde que foi eleito, Francisco, que deseja impulsionar uma igreja pobre para os pobres, não tomou medidas especiais contra o fenômeno, mas aceitou a renúncia de um bispo esloveno considerado também um esbanjador e se comprometeu a reformar as controversas finanças internas da Santa Sé.

Fonte: G1