Vaticano condena ex- mordomo do papa por furto de documentos

Ex-mordomo do papa é condenado a 1 ano e 6 meses de prisão.

A Corte do Vaticano condenou neste sábado (6) Paolo Gabriele, ex-mordomo do papa Bento XVI, a um ano e seis meses de prisão após considerá-lo culpado pelo furto de documentos confidenciais da Igreja Católica. A Promotoria havia pedido três anos de prisão como pena.


Vaticano condena ex- mordomo do papa por furto de documentos

O tempo foi reduzida devido a circunstâncias atenuantes, segundo a Corte, que anunciou a sentença após duas horas de deliberações. Gabriele também foi condenado a pagar as despesas legais do julgamento.

Em sua apelação final, o ex-mordomo disse à Corte que agiu exclusivamente motivado por um amor ?visceral? pela Igreja Católica e pelo papa. Gabriele também afirmou não ser um ladrão. Ele falou minutos antes de a Corte se retirar para determinar o veredicto.

Sua defesa havia pedido que a Corte reduzisse as acusações contra Gabriele de roubo agravado para apropriação indevida, e que ele não seja preso.

Durante o julgamento, um policial ouvido como testemunha afirmou que foram encontrados "quase 1.000 "documentos de interesse" na residência do acusado.

"Há quase 1.000 documentos de interesse, incluindo fotocópias e originais e alguns documentos com a assinatura do Santo Padre", afirmou Silvano Carli, um dos quatro policiais que seriam interrogados nesta quarta-feira (3), ao falar sobre as descobertas da força de segurança no momento da detenção de Gabriele, em maio.

As testemunhas afirmaram que havia "centenas de milhares de documentos" na casa do mordomo, indicando que os referentes ao Papa estavam "habilmente dissimulados" entre os papéis espalhados.

"Há dezenas e dezenas de documentos sobre o Santo Padre, a Secretaria de Estado e outras congregações, a vida estritamente privada e familiar do Santo Padre", disse Carli.

Outra testemunha, Stefano De Santis, declarou que, entre os documentos considerados sem interesse para a investigação, havia elementos relacionados à morte de Roberto Calvi, conhecido como o "banqueiro de Deus", que foi encontrado enforcado em 1982 sob uma ponte de Londres.

Paolo Gabriele afirmou na terça-feira (2) que Bento XVI foi "manipulado" e declarou ser inocente da acusação de roubo dos documentos, mas disse que sente culpa por ter traído o pontífice. Na terça, o Vaticano anunciou que investigaria as condições de detenção de Gabriele, que afirmou ter sido submetido a "pressões psicológicas" após a prisão, em 23 de maio.

Segundo o ex-mordomo do Papa, ele foi detido durante 15 dias em uma cela na qual não podia sequer esticar o braço, iluminada as 24 horas do dia.

Durante a instrução do caso, Gabriele afirmou que queria combater "o mal e a corrupção" no Vaticano.

Fonte: G1