Visando eleitorado latino, Obama faz visita histórica a Porto Rico

O foco de Obama, segundo analistas políticos, está nos mais de 4 milhões de porto-riquenhos que vivem nos Estados Unidos.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chega nesta terça-feira a Porto Rico para uma visita oficial histórica - a primeira de um líder americano em 50 anos - que, segundo analistas, tem como um dos principais objetivos cortejar o eleitorado latino no momento em que a campanha à reeleição começa a ganhar ritmo.

Durante sua breve passagem de cinco horas por Porto Rico, Obama deverá mirar não tanto nos habitantes da ilha, já que esses, apesar da cidadania americana, não votam nas eleições presidenciais.



O foco de Obama, segundo analistas políticos, está nos mais de 4 milhões de porto-riquenhos que vivem nos Estados Unidos e, portanto, são eleitores.

Segundo estatísticas recentes, hoje o número de porto-riquenhos nos Estados Unidos já supera em quase 1 milhão de pessoas a população total da ilha.

Esses eleitores, acredita-se, podem ter um papel definitivo na conquista de Estados cruciais no pleito de 2012, como a Flórida - onde vivem mais de 800 mil porto-riquenhos.

A visita também faz parte de um esforço mais amplo por parte de Obama de cortejar a população hispânica em geral, que foi decisiva para sua eleição em 2008, mas tem se mostrado decepcionada pela demora do presidente em cumprir algumas promessas de campanha, como a reforma das leis de imigração.

O último presidente a fazer uma visita oficial a Porto Rico foi John Kennedy, em 1961. Depois disso, outros presidentes americanos passaram pela ilha, mas não em visitas oficiais.

A viagem de Obama ocorre poucos meses depois de uma força-tarefa instituída pelo presidente ter apresentado um relatório sobre Porto Rico e sugerido a realização de um novo plebiscito sobre o status político da ilha, que atualmente é um território autônomo dos Estados Unidos.

No referendo sugerido pela força-tarefa, que seria realizado no final de 2012, os habitantes decidiriam se a ilha deve ser parte dos Estados Unidos, tornando-se o 51º Estado, ou ganhar a independência.

Em consultas anteriores, os porto-riquenhos optaram por manter seu status de Estado Livre Associado dos Estados Unidos.

Fonte: UOL