Irmão identifica sinais de estupro em criança de sete anos e denuncia padrasto

O padrasto que tem deficiência física e não foi encontrado pela polícia

Padrasto estupra criança de sete anos de idade e foge quando descoberto para não ser preso. O caso aconteceu por volta das 21h de sexta-feira (29/08) no Bairro João XXIII, em Parnaíba. Familiares da menina foram até a 2ª Companhia Destacada de Polícia Comunitária Ronda Cidadão denunciar o ocorrido.

De acordo com informações prestadas a polícia, o irmão mais velho, que tem 17 anos, percebeu o ocorrido, depois que chegou em casa, e levou a menina para a residência da avó no Bairro Piauí. Diante da informação de havia acontecido o estupro, os demais familiares procuraram a polícia.


Uma guarnição do Ronda Cidadão, comandada pelo cabo Eudes, foi até o Conselho Tutelar em busca de medidas; enquanto outra guarnição, comandada pelo soldado Costa, fazia rondas no Bairro João XXIII com a finalidade de capturar o acusado. Mas nem ele e nem a mãe da menina foram encontrados.

O homem foi identificado somente pelo nome de João tem uma deficiência em uma das mãos. Os policiais seguiram para o Hospital Estadual Dirceu Arcoverde afim de fazer exame que comprove o estupro de vulnerável, já que a criança relatou a maneira como foi abusada.

No hospital receberam a informação de que o exame desejado só poderia ser feito com a apresentação de um Boletim de Ocorrência. Na Delegacia da Mulher foram informados de que BO só é feito até às 15h. O caso ficou para ser revolvido na próxima segunda-feira. “Cadê a rede de proteção? Há uma burocracia que só favorece a impunidade”, reclamou o cabo Eudes.

Fonte: Proparnaíba