Jornalista Pimenta Neves se entrega a policiais em sua casa

Jornalista Pimenta Neves se entrega a policiais em sua casa

O condenado se entregou após receber investigadores e os delegados Pablo Baccin e Waldomiro

O jornalista Antonio Marcos Pimenta Neves disse na noite desta terça-feira (24) que não foi surpreendido pela decisão do Supremo Tribunal Federal que ordenou sua prisão. "Eu estava esperando", disse ao chegar à Divisão de Capturas, no Centro de São Paulo.

Questionado por jornalistas se estava preparado para ficar 15 anos preso, disse apenas uma palavra: ?Claro?.

O condenado se entregou após receber investigadores e os delegados Pablo Baccin e Waldomiro Pompiani Milanes em sua casa. Ao abrir a porta de sua casa, na Chácara Santo Antônio, Zona Sul, Pimenta Neves sorriu e cumprimentou os policiais.

Meia hora depois, ele entrou em um carro da polícia. Parte das dezenas de pessoas que se aglomeravam em frente à casa bateu palmas no momento em que o carro saiu em direção à sede da Divisão de Capturas, no Centro da cidade. Outras pessoas gritaram ?assassino?.

O advogado Itagiba Francês, um dos defensores de Pimenta Neves, disse que em nenhum momento seu cliente pensou em fugir. ?Ele está ciente. Esperava isso há muito tempo. Não tem esse negócio de fugir.?

De acordo com Francês, o jornalista de 74 anos ?está bem, mas debilitado?. ?Ele está magoado, triste. É um momento de tristeza.? Ele informou que Pimenta Neves mora sozinho e toma remédio para problemas de saúde, como hipertensão.

Ao chegar à Divisão de Capturas, no Centro de São Paulo, Pimenta Neves disse: "Eu estava esperando". Questionado por jornalistas se estava preparado para ficar 15 anos preso, disse apenas uma palavra: ?Claro?.

Malas prontas

O delegado Aldo Galeano, diretor do Departamento de Identificação e Registros Diversos (Dird), contou na noite desta terça-feira (24), que o jornalista Pimenta Neves não ofereceu resistência à prisão e que já tinha deixado pronta uma mala com roupas caso fosse preso.

?Ele já tinha as roupas separadas?, informou Galeano, acrescentando que o jornalista pediu que sua integridade física fosse respeitada. Em frente à casa do jornalista, além de muitos jornalistas, havia vizinhos e curiosos que se aglomeraram no portão esperando a saída de Pimenta Neves.

?Dissemos que não poderíamos escondê-lo. Houve um processo de convencimento por telefone. Ele estava esperando. Essa sentença é irrecorrível e a gente mostrou para ele que haveria desgaste (caso ele resistisse à prisão)?, afirmou Galeano.

Além de roupas e remédios, Pimenta Neves colocou na mala dois livros. A polícia não soube informar quais eram os títulos. ?Ele pediu dois livros. Estava muito sereno. Falou que a mala estava arrumada desde a semana passada?, contou um investigador da Divisão de Capturas que não quis se identificar.

Vitória

O advogado da família da jornalista Sandra Gomide comemorou a decisão. Sergei Cobra afirmou que esse é o caso de maior impunidade da história do Brasil. ?É uma vitória. Isso mostra que a Justiça dá uma resposta ao maior caso de impunidade que o Brasil já viu, até porque ele [Pimenta Neves] é réu confesso?, disse Cobra.

STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) negou, por unanimidade dos cinco ministros que a integram, o último recurso pendente de Pimenta Neves, condenado em 2006 pela morte da ex-namorada e também jornalista Sandra Gomide. O relator do caso, ministro Celso de Mello, determinou ao juiz da Comarca de Ibiúna (SP) o cumprimento da pena de 15 anos de prisão, inicialmente, em regime fechado.

De acordo com o ministro relator, não há mais possibilidade de se recorrer da decisão. ?É um fato que se arrasta desde 2000 e é chegado o momento de se por termo a este longo itinerário já percorrido. Realmente esgotaram-se todos os meios recursais, num primeiro momento, perante o Tribunal de Justiça de São Paulo; posteriormente, em diversos instantes, perante o Superior Tribunal de Justiça, e também perante esta Corte?, afirmou Mello durante o julgamento.

Fonte: g1, www.g1.com.br