Consumidor encontra aranha dentro de garrafa de refrigerante

Aranha foi encontrada em uma garrafa na cidade de Praia Grande, SP. Fato aconteceu em maio, mas até agora a empresa não entrou em contato

Um morador de Praia Grande, no litoral de São Paulo, comprou uma garrafa de refrigerante e, quando foi abrir, encontrou uma aranha morta dentro da embalagem. Segundo o advogado Nelson Damião Pires, que representa o rapaz, o fato aconteceu em maio deste ano mas, após entrar em contato várias vezes com a empresa, nenhuma providência foi tomada.


Jovem encontra aranha dentro de garrafa de refrigerante

De acordo com Pires, o cliente comprou uma garrafa de Aquarius Fresh em maio deste ano e, após notar que havia uma aranha dentro do produto, decidiu não tirar a tampa. O jovem entrou em contato com o telefone disponível pela empresa no rótulo da embalagem no dia 31 de maio, e a atendente disse que tomaria providências e entregou o número do protocolo.

Cinco dias depois, em 5 de junho, ele ligou novamente para o mesmo telefone, já que não havia tido resposta. Segundo o advogado, outro atendente confirmou a reclamação e falou que a empresa entraria em contato em outra oportunidade. No dia seguinte, um representante ligou para o cliente e disse que a empresa iria tomar providências sobre o caso. Essa foi a última vez que a multinacional deu uma resposta sobre o caso.

Sem nenhuma providência, Pires entrou com um processo no Juizado Especial Cível de Praia Grande, ainda em junho. A audiência sobre o caso, porém, aconteceu no último dia 30 e, mesmo sendo convocados a comparecer ao local, nenhum representante da Coca-Cola teria aparecido para dar uma resposta. "Queremos uma indenização por danos morais no valor de 30 salários mínimos. A empresa foi negligente em não mandar ninguém para a audiência. A nossa preocupação é que existem descasos e mais descasos. Eles não estão preocupados com a saúde do consumidor", explica.

Segundo Pires, o cliente foi motivado a divulgar o caso por conta de outra situação semelhante que aconteceu na Baixada Santista. Na última semana, um pino de plástico foi encontrado dentro de uma garrafa de Coca-Cola. "Já encontramos droga, já encontramos aranha. O que vamos encontrar mais?", questiona o advogado.

A FEMSA Brasil, empresa que responde pelo produto, reconhece que recebeu a solicitação do consumidor e que prestou atendimento conforme o Código de Defesa do Consumidor. A empresa informa que, conforme sua política, não se pronuncia durante o andamento de processos jurídicos.

Fonte: G1