Jovem teve surtos psicóticos antes de casar e destruiu hospital

Pires surtou quando sua mulher, com quem tem um filho de 2 anos, entrava no salão de festas.

Médicos do Hospital da Unimed de Bauru, no interior de São Paulo, tentam descobrir o que levou o operário Eder Francisco Batista Pires, de 26 anos, a sofrer seguidos surtos psicóticos, na festa do seu próprio casamento, sábado, 10, à noite.

Pires, que oficializava uma união estável de dois anos e meio, surtou quando sua mulher, com quem tem um filho de 2 anos, entrava no salão de festas. Após bater a cabeça na parede, tirar a roupa e agredir pessoas, ele foi dominado por enfermeiros do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Levado para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do bairro Bela Vista, ele foi sedado e imobilizado. Mas, às 3h45 de domingo, teve outro surto. Conseguiu se soltar, caminhou até a recepção e passou a destruir o que encontrava pela frente: telas de computadores, teclados, telefones, CPU, impressora, uma porta de vidro e até uma cadeira de rodas.

O vigilante da unidade, Dirceu Barsotti, de 42 anos, tentou imobilizá-lo, mas foi agredido por Pires, que tentou enforcá-lo com um fio de computador. Pires fugiu e foi localizado pela Polícia Militar, nu, a cerca de duas quadras da unidade de saúde.

Depois de dominado, ele foi medicado e levado inconsciente para o Pronto-socorro Central de Bauru. De lá, foi transferido, por volta das 14 horas, para o pronto-atendimento do Hospital da Unimed. Hoje pela manhã, o operário sofreu outro surto. Novamente escapou da imobilização e tentou deixar o hospital.

Ele já saía à rua quando seguranças conseguiram detê-lo. Foi internado e passou a ser acompanhado por psiquiatras. Os médicos não sabiam, até hoje, as causas dos surtos. Segundo a assessoria do hospital, o rapaz tem períodos de lucidez e de inconsciência.

A família não quer falar com a imprensa. A polícia apura crime de dano patrimonial e lesões corporais. O caso é investigado em inquérito aberto pelo 2.º DP de Bauru.

Fonte: Yahoo