PRF: Jovens estão morrendo menos em acidentes no Piauí

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o número de pessoas com menos de 30 que morreram nas estradas do Piauí de janeiro a outubro é menor

A Polícia Rodoviária Federal do Piauí (PRF-PI) vem constatando uma diminuição nas mortes de jovens em acidentes de trânsito nas estradas federais do Piauí.

Esta realidade é percebida nos números: de janeiro a outubro deste ano, a faixa que vai dos 15 aos 30 anos registrou 50 mortes nas estradas federais do estado ? dez a menos que no mesmo período do ano passado.

Em 2012, se considerado o período citado, as mortes nesta faixa etária nas BRs representavam exatamente 38,2% do total de vítimas fatais. Agora, esse percentual caiu para 37%. Também foram registradas quedas no número de feridos graves e de feridos leves.

Foram 126 feridos graves até o dia 1º de outubro deste ano, contra 212 no mesmo intervalo de tempo do ano passado. Nos nove primeiros meses de 2012 a PRF-PI registrou 293 feridos leves, número que caiu para 271 em 2013.

Houve redução também no número de acidentes envolvendo pessoas de 15 a 30 anos. Nos dados da PRF, são observadas separadamente as diversas faixas etárias: 15 a 19, 20 a 24 e 25 a 30 anos. Somando-se os números registrados para essas três faixas distintas, tem-se o total de 1.146 acidentes de janeiro a outubro do ano passado.

Este número caiu para 1.055 ocorrências ? uma queda de quase 8%.

No entanto, um dado mostrou crescimento: a participação das faixas mais jovens no total de acidentes registrados no período.

Nos nove primeiros meses de 2012 a Polícia Rodoviária registrou um total de 2.078 acidentes. Destes, 1.146 envolveram pessoas da faixa citada. Um total de quase 45%. Agora, com um total de 2.027 acidentes e 1055 ocorrências envolvendo os mais jovens, essa participação é de quase 48%.

Se analisados o total de acidentes registrados no ano de 2012 nas estradas federais do Piauí (2.767), tem-se que a participação dos acidentes com pessoas de 15 a 30 anos foi de 44,5%. Portanto, apesar da queda no número de mortes, a quantidade absoluta de acidentes envolvendo jovens está acima da média anotada no ano passado.

Lei Seca contribuiu com diminuição de mortes

O inspetor Raimundo Rameiro, da PRF-PI, conhece bem estes dados e, a pedido do jornal Meio Norte, comentou os números. Para Rameiro, o aumento nos esforços de friscalização constituem o principal fator para a diminuição de mortos e feridos jovens nas BRs.

?Aumentamos consideravelmente os flagrantes de motoristas alcoolizados, graças ao endurecimento da Lei Seca.

Vale dizer que essa redução no número de mortes vem sendo percebida logo depois de uma sequência de seis anos de crescimento ininterrupto?, ressaltou o inspetor.

Rameiro, no entanto, deixou claro que o número de vítimas fatais ainda preocupa e muito a PRF. Afinal, das quatro faixas etárias que mais concentram mortes nas estradas federais do estado em 2013, apenas uma (35 a 39 anos) não é considerada do grupo dos jovens.

?Não podemos considerar um fator apenas que seja determinante para esta realidade. Um dos maiores determinantes, claro, é a ingestão de bebida alcoólica. Inúmeras pesquisas e estudos mostram que os jovens estão iniciando cada vez mais cedo no consumo de bebidas.

É uma necessidade de autoafirmação perante um grupo social. Os dados que temos de flagrantes de motoristas dirigindo após a ingestão de bebida alcoólica envolvem, em sua maioria, pessoas jovens. Ou seja, fica completamente configurada essa correlação entre acidentes graves, motoristas jovens e bebida alcoólica?.

O policial citou também a prática de rachas (ou pegas). ?A juventude também incorre mais na prática da direção em alta velocidade. Isso, combinado ao uso de bebida alcoólica, transforma o simples ato de dirigir em uma situação explosiva.

Essa situação é muito vista nos rachas, situações em que tivemos, recentemente, mortes nas madrugadas ? não nas BRs, mas nas vias públicas de Teresina?.

ABORDAGENS DIFÍCEIS - O público jovem também costuma dar mais trabalho na hora das abordagens feitas pelas autoridades policiais.

?Muitas vezes precisamos alegemá-los, porque em diversas situações eles acabam representando perigo para si e para outras pessoas. Há uma predisposição, por parte da maioria dos jovens, em não aceitar o cumprimento da legislação de trânsito pela autoridade policial?, complementou o inspetor.

LEVANTAMENTOS

Em 2011, o mapa da violência no Brasil divulgado pelo Ministério da Justiça mostrou que houve um aumento de 32,4% nas mortes de jovens em decorrência de acidentes de transporte no período de 1998 a 2008, enquanto no total da população o índice foi de 26,5%.

A pesquisa, feita através de uma parceria entre o Instituto Sangari e o citado Ministério, apontou que, entre as regiões brasileiras, o Nordeste apresentou o maior crescimento no número de óbitos causados por violência no trânsito: 56,1% entre 1998 e 2008, com destaque para os estados do Maranhão, Paraíba, Piauí e Sergipe.

Dados mais recentes, apurados em um levantamento feito por uma seguradora de veículos de janeiro de 2012 até o mês passado, mostram que os acidentes mais graves aconteceram durante a madrugada, entre meia-noite e seis da manhã. E as vítimas, na maioria das vezes, eram homens e jovens.

O estudo analisou 167,2 mil ocorrências. A maior parte foi registrada durante a tarde. Apenas 6,4% das colisões aconteceram na madrugada, mas foram justamente estas as mais violentas: em 23% dos casos houve perda total do veículo.

Fonte: Dowglas Lima