Juiz suspende audiência após promotora dar soco em advogado

O caso ocorreu no final da tarde de segunda-feira (9).

O juiz Alberto Fernando Sales de Jesus suspendeu uma audiência que era realizada no Fórum Odilon Santos, em Santo Amaro da Purificação, no recôncavo baiano, após uma promotora agredir um advogado com um soco no rosto. O caso ocorreu no final da tarde de segunda-feira (9).

De acordo com o termo assinado pelo juiz, a audiência foi suspensa porque as partes deixaram de debater as questões processuais. Ainda de acordo com o texto, a promotora agrediu o advogado com um soco na altura do rosto, o que levou a um pequeno sangramento na boca.

A queixa de agressão foi registrada na delegacia do muncípio na noite do mesmo dia e na manhã desta terça-feira (10), a vítima esteve no local para fazer o exame de corpo delito. Por meio da assessoria de imprensa, o MP-BA informou no início da noite desta terça-feira que a promotora já se apresentou ao órgão para prestar esclarecimentos e que não vai se pronunciar sobre o assunto por enquanto.

Segundo a polícia, o advogado baiano Murilo Azevedo registrou a queixa no mesmo dia, mas teve que retornar pela manhã, pois não havia delegado na unidade na noite de segunda-feira.

De acordo com informações de Murilo Azevedo, ele e a promotora participavam de uma audiência que começou no período da manhã e durou até o final da tarde, quando a promotora o agrediu com um soco na boca, enquanto ele estava de cabeça baixa. ?Fica um sentimento de revolta porque a gente não espera que uma promotora vá fazer uma coisa dessas", disse.

O advogado disse que esta foi a segunda vez que ele encontrou a promotora em audiência, sendo a primeira no mês de maio deste ano, em audiência do mesmo caso. Ele ainda afirma que não conhecia a mulher e não tinha qualquer tipo de relação pessoal com ela.

Segundo o advogado, a promotora deixou o fórum de Santo Amaro logo após a agressão, que foi presenciada por dois policiais militares. De acordo com o MP, a promotora não deve comentar o caso.

O secretário-geral da Ordem dos Advogados do Brasil na Bahia, Nei Viana, informou que a instituição vai instaurar um procedimento para apurar o fato. ?Instauraremos processo de agravo público, além de representação aos órgãos do Ministério Público?, afirma.

Fonte: G1