Justiça condena Thor a pagar R$ 500 mil à família de atropelado

Justiça condena Thor a pagar R$ 500 mil à família de atropelado

A decisão será encaminhada à defesa de Thor que terá três dias para pagar a quantia à família. Cabe recurso.

Decisão da Justiça do Rio de Janeiro condenou o empresário Thor Batista a pagar R$ 500 mil à família do ciclista Wanderson Pereira dos Santos após quebra de sigilo de contrato indenizatório de R$ 1 milhão, segundo informou o advogado Cleber Carvalho, contratado por parentes da vítima. A informação foi confirmada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Detalhes do contrato foram divulgados pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro em 15 de maio deste ano, quando a defesa do filho do Eike Batista acrescentou o acordo aos autos do processo. Na ocasião, a família disse ter se sentido constrangida.

A decisão será encaminhada à defesa de Thor que terá três dias para pagar a quantia à família. Cabe recurso.

Entenda o acordo

A família de Santos, que morreu atropelado pelo empresário Thor Batista em março de 2012, entrou com a ação em junho deste ano para cobrar o valor da multa pelo vazamento das informações do acordo de indenização. O título executivo extra oficial foi assinado pelo empresário e pelos parentes da vítima cinco dias depois do acidente, na rodovia Washington Luís, na altura de Xerém, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

De acordo com o contrato, os familiares de Wanderson e o advogado receberam de Thor valor de R$ 1 milhão, que foi dividido em quatro partes: o advogado Cleber Carvalho recebeu R$ 270 mil; a tia, Maria Vicentina Pereira, R$ 315 mil; a viúva, Cristina dos Santos Gonçalves, R$ 315 mil, e o genro dela, o bombeiro Márcio Tadeu Rosa da Silva, R$ 100 mil.

Segundo o acordo, nenhuma das partes poderia divulgar o conteúdo, sob a condição de arcar com multa de R$ 500 mil. Mas, após um ano, Thor declarou em juízo ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) que havia dado R$ 300 mil à família de Wanderson como forma de auxílio, encerrando o sigilo. Com a divulgação do fato, os parentes do ciclista resolveram entrar com ação de quebra do contrato, requerendo a indenização. Mas a defesa de Thor alega que a informação foi divulgada pelo MP-RJ.

Em junho de 2013, Thor Batista foi condenado por homicídio culposo - quando não há intenção de matar - a dois anos de serviços comunitários. A sentença incluía multa de R$ 1 milhão a uma instituição de caridade. Thor teve o direito de dirigir suspenso por dois anos. A decisão é da juíza Daniela Barbosa Assumpção de Souza, da 2ª Vara Criminal de Duque de Caxias, na baixada. Em depoimento à Justiça, Thor declarou que o acidente "foi inevitável".

Fonte: r7