Lacen disponibiliza exame gratuitamente no Piauí

Ele é responsável por detectar a infecção causada pelo fungo aspergillus, que se não descoberta pode levar à morte

Os pacientes que sofrem com baixa imunodeficiência nas UTIs têm suas chances de vida aumentada, a partir de agora, com a realização do exame galactomanana.

Ele é responsável por detectar a infecção causada pelo fungo aspergillus, que se não descoberta pode levar à morte. O exame está sendo disponibilizado de forma gratuita a toda à rede pública de hospitais do Piauí, que possuem pacientes em UTI.

O exame da galactomanana é simples e rápido, sendo feito com amostra de 5 ml de sangue do paciente, que é enviada ao Lacen para reação e disponibilidade do resultado via web em até 2 dias.

O grande diferencial deste exame é que permite aos médicos tomarem decisões terapêuticas mais acertadas e no tempo hábil, pois ele tem um forte indício de qual germe precisa tratar.

"Antes, esse problema não era detectado e muitas vezes os médicos o tratavam como se fosse uma bactéria e o paciente acabava morrendo. Mesmo que se desconfie que o problema é causado pelo fungo aspergillus, não dá para arriscar um tratamento sem um diagnóstico preciso, pois esse tratamento é muito caro e não se pode ser feito sem ter certeza", explicou a diretora do laboratório, Symonara Karina.

Há quase um ano o exame já vem sendo realizado na capital, com apenas um hospital que serve como projeto piloto. Agora ele será estendido para todos os hospitais da rede pública que tem leitos de UTI. A biomédica, que realiza o exame no Lacen, Kate Helen de Melo, explica que a saúde do Estado ganha muito com a realização desse exame.

"Ele é voltado para pacientes que estão imunodeprimidos e bem debilitados. O diagnóstico é rápido e preciso. Em um dia sai o resultado, que é mandado online para o hospital onde ele está internado e logo em seguida o médico já pode dá início ao tratamento.

O Piauí já teve muitos problemas por causa da falta desse exame, muitos pacientes não receberam o tratamento adequado porque não tiveram o diagnóstico da doença", disse.

Fonte: Jornal Meio Norte