Leia no Jornal Meio Norte: Idosos com depressão merecem atenção especial

Leia no Jornal Meio Norte: Idosos com depressão merecem atenção especial

O corpo fica frágil e a dependência passa a ser maior

Envelhecer não é tarefa fácil. O desenvolvimento do corpo não acompanha o da mente, mesmo que muitos idosos ainda se sintam ?como um garoto de 18 anos?. A jovialidade de espírito dá lugar ao enfraquecimento dos ossos, problemas crônicos de saúde e dependência dos mais novos para realizarem até tarefas simples, acarretando em um quadro de depressão, um problema mais comum em idosos do que se imagina.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a depressão na terceira idade ataca cerca de 20% dos idosos, é o problema psicológico mais comum de acontecer com eles. A perda de independência, fragilização do corpo e a movimentação limitada fazem com que os senhores da melhor idade passem a carecer de seus filhos ou netos a toda hora, trazendo uma falsa ideia de que são um peso na família.

?A autodepreciação é o primeiro sintoma ao qual a família deve ficar atenta. O sentimento de estar inutilizado é recorrente nos mais velhos, mas o sinal de alerta deve acender quando a qualidade de vida do mais idoso é afetada por esta sensação.

É indicado procurar ajuda médica quando eles ficam melancólicos com certa constância?, indica a psicóloga Poliana Maton. A obrigação de depender dos outros para a realização das tarefas mais simples faz com que eles se sintam inúteis.

Os principais sintomas da depressão na terceira idade envolvem tristeza duradoura, acompanhada de desânimo, falta de apetite, cansaço, dores no corpo e apatia. O idoso vive cercado de pensamentos de culpa, inutilidade e chega a perder o gosto pela vida.

A doença é preocupante porque além de acarretar o desenvolvimento de doenças como demência, ela pode levar ao suicídio. Cogita-se que o ator Walmor Chagas deu fim a sua vida graças a um quadro depressivo.

Amigos próximos da família contam que ele se isolou do convívio social por precisar da ajuda de terceiros e vivia enclausurado em sua chácara. Ele morava com dois funcionários que o ajudavam nas tarefas pessoais do dia a dia.

A participação da família é fundamental para expulsar a doença. ?Muitos idosos moram com a família e adquirem a patologia por não receberem a atenção que precisam. Os pacientes reclamam que os parentes pouco conversam com eles, não respeitam suas vontades ou simplesmente não dão atenção. Isso agrava a diminuição da autoestima e aumenta a possibilidade de adquirir a depressão.

Caso a família seja muito ocupada e não possa dispor de fazer companhia ao parente, é indicado que estimulem desenvolvimento social do idoso através de outras atividades?, completa a psicóloga.

Amigos e familiares podem ajudar no tratamento

Quem nunca teve depressão pode ter dificuldade de entender o profundo sofrimento de uma pessoa que se encontre nesse estado. É muito importante para o idoso compreender a doença e desenvolver formas de lidar com ela, mas a ajuda da família e dos amigos é imprescindível na recuperação, pois ainda há preconceito em relação a esses transtornos mentais.

A pessoa em depressão sente-se fracassada, como se fosse uma fraqueza de caráter. ?A família e os amigos devem evitar cobrar demais da pessoa. ?É importante estimular, mas não exigir. Frases secas, reclamações e questionamentos não devem existir. O idoso precisa de carinho, não de disciplina?, informa a psicóloga Poliana Matos.

A família deve ter em mente que, no caso dos idosos, tratar os sintomas da depressão é essencial, mas identificar as causas psicológicas da doença é ainda mais importante, já que muitos idosos não fazem ideia de que estão vivenciando um quadro depessivo.

Um planejamento da aposentadoria incluindo atividades de lazer, familiares e saudáveis pode auxiliar na prevenção da depressão nesta faixa etária. (O.B.)

Tratamento é feito com remédios e amor

A identificação de quadros depressivos em idosos é mais difícil, pois existem preconceitos em relação à velhice e aos transtornos mentais. ?Existe a ideia de que a depressão é normal na velhice, pois já viveu sua época gloriosa.

Quando se nota que o idoso está desanimado por algumas semanas, é hora de procurar o médico?, conta a psicóloga Poliana.

Só assim a mente deles pode se fortalecer. ?Quando a mente está bem, o corpo fica bem. O desenvolvimento da depressão acaba enfraquecendo o corpo humano, que fica com sua defesa natural prejudicada.

A quantidade de anticorpos diminui e eles ficam mais propensos a desenvolver doenças. Em casos de depressão crônica é ainda pior, pois eles não encontram forças para se curar da doença.

O tratamento da depressão feito com antidepressivos melhora os sintomas da doença somente após algumas semanas. Neste meio tempo, o apoio da família é imprescindível, além de acompanhamento psicológico. Só assim é possível fornecer a melhoria de vida do idoso.(O.B.)

Fonte: Olegário Borges