Lojistas processam camelôs em THE

O sindicato alega prejuízos financeiros, como quebra de portas, vitrines e depredação

Insatisfeitos com a manifestação dos ambulantes, realizada na última segunda-feira, o sindicato dos lojistas se manifestou a respeito do caso e deve mover uma ação criminal contra os manifestantes que praticaram atos de vandalismo e causaram prejuízos às lojas atingidas. Para identificar os agressores o sindicato solicitou imagens de um meio de comunicação.

O sindicato alega prejuízos financeiros, como quebra de portas, vitrines e depredação, mas também o constrangimento dos clientes. Para o presidente do sindlojas, João Andrade, a manifestação causou insegurança aos consumidores e lojistas. ?Nós vamos entrar com uma ação criminal para valer. As pessoas ficaram assustadas, nossos clientes tiveram que sair de dentro das lojas e isso é um absurdo?, diz

Além disso, a ação criminal deve destacar os lucros cessantes pelo período em que as vendas foram suspensas. Vale destacar que esse é o período em que o comércio mais fatura e os lojistas alegam que tiveram prejuízos enquanto permaneceram de portas fechadas.

As fotos e fitas de vídeos com imagens do protesto serão anexadas na ação criminal. De acordo com a advogada do Sindlojas, Edina Coutinho, apenas as pessoas que cometeram ato de vandalismo serão investigadas. ?Nós estamos aguardando as imagens feitas por um canal de televisão e assim que elas estiverem em mãos vamos levar até à polícia para prestar queixa contra essas pessoas. Elas certamente serão investigadas e nós vamos solicitar que elas sejam punidas?.

A manifestação aconteceu na quarta-feira (14), quando cerca de 300 ambulantes insatisfeitos com as vendas e a localização do Calçadão Popular, recentemente inaugurado pela Prefeitura Municipal de Teresina, saíram às ruas em protesto contra a gestão municipal.

Fonte: Carolina Durães, Jornal Meio Norte