Mãe achou que menino não sobreviveria com agulhas no corpo

Mãe achou que menino não sobreviveria com agulhas no corpo

Criança ficou 36 dias internada e continua com cinco objetos no corpo

O menino de 2 anos e 8 meses ferido com dezenas de agulhas, em Ibotirama (BA), recebeu alta médica na manhã desta sexta-feira (22) do Hospital Ana Neri, na capital baiana, após passar 36 dias internado na unidade. Antes de deixar o hospital, a mãe da criança, a doméstica Maria Souza Santos, de 38 anos, contou que não acreditava que o menino fosse sobreviver.

- Depois que vi a primeira radiografia, lá na minha cidade, entendi que a situação era muito grave.

Maria agradeceu o apoio da população, o esforço dos médicos e os presentes que recebeu - dezenas de brinquedos, além de uma reforma na casa da família, na qual mora com a mãe e os seis filhos, em Ibotirama.

A mãe também disse não ter motivo para perdoar o ex-companheiro Roberto Carlos Magalhães, de 30 anos, que confessou ter inserido as agulhas na criança.

- Como é que vou perdoar o assassino que queria matar meu filho?

Magalhães foi denunciado pelo Ministério Público por tentativa de homicídio qualificado, junto com a suposta amante, Angelina Ribeiro dos Santos, de 47 anos, que nega ter participado do crime. Os dois estão detidos em delegacias de municípios do oeste baiano. As penas previstas para o crime vão de quatro a 20 anos de prisão.

De acordo com o delegado de Ibotirama, Hélder Fernandes Santana, a Justiça determinou que seja realizado exame de sanidade mental em Magalhães. De acordo com ele, ainda não há data marcada para o procedimento, que será feito em Salvador.

Fonte: R7, www.r7.com