Mãe de aluno é autuada por agredir verbalmente diretora de escola

Segundo a polícia, mãe e outros alunos depredaram sala de diretora.

A mãe de um aluno acusada de agredir verbalmente a diretora de uma escola foi autuada nesta segunda-feira (5) por injúria e desacato.

O caso ocorreu na Escola Municipal General Humberto de Souza Mello, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio.

De acordo com alunos, a confusão teria começado quando a diretora tentou separar uma briga entre alunos do 6º ao 9º anos do ensino fundamental. No momento da confusão, ela teria empurrado um aluno sem querer. O estudante ligou para a mãe, que foi até a escola, discutir com a professora.

Segundo policiais da 20ª DP (Vila Isabel), onde o caso foi registrado, a mãe do estudante e outros alunos teriam depredado a sala da diretora. Segundo a Polícia Civil, a diretora não foi agredida fisicamente durante o ato de vandalismo.

Sindicato agendou audiência

O Sindicato Estadual de Profissionais de Educação (Sepe) informou que agendou para a próxima terça-feira (6) uma audiência com a Secretária municipal de Educação, Cláudia Costin, para discutir o assunto.

O Sepe afirma que, após uma briga entre alunos de 12 a 17 anos, a diretora foi alvo de socos e pontapés na semana passada, o que não foi confirmado pela polícia.

Assustada e com problemas psicológicos, a funcionária pediu afastamento da unidade de ensino. Desde o episódio, no último dia 30, o colégio só retomou as aulas nesta segunda. No entanto, à polícia ela teria dito que não sofreu agressões físicas.

Segundo testemunhas, após a professora repreender o aluno pela agressão, ele teria quebrado os vidros de algumas janelas e sua mãe teria arrebentando os fios de telefones.

De acordo com os pais de alguns alunos, há dois anos um aluno foi morto na porta do mesmo colégio após uma briga entre estudantes.

Exigências

De acordo com o Sepe, entre os assuntos a serem discutidos com a secretária de Educação nessa audiência, estão melhores condições de trabalho. ?Queremos diminuir o número de alunos por sala de aula. Também pedimos a volta da figura do agente-educador, que era o antigo inspetor", Susana Gutierrez, diretora do sindicato.

O Sepe pretende ainda denunciar a falta de condição de trabalho ao Ministério Público, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Assembléia Legislativa e Câmara dos Vereadores. Caso foi registrado na 20ª DP (Vila Isabel). Segundo pais de alunos, apenas nesta segunda a secretaria de Educação colocou um guarda municipal dentro da escola.

Resposta da secretaria

Em nota, a secretaria municipal de Educação informou que, assim que soube do ocorrido, determinou a apuração dos fatos e a garantia à segurança da comunidade escolar. A agressão será apurada por uma sindicância já instaurada pela 2° Coordenadoria Regional de Educação (CRE), com o prazo de 60 dias para a resolução. A secretaria informou também que encaminhou o caso para o conselho tutelar.

Segundo a 2ª CRE, a diretora da unidade foi agredida verbalmente pela mãe de um dos alunos envolvidos, que foi chamada na unidade pela direção para falar sobre o comportamento do aluno. A coordenadoria informou ainda que uma janela da unidade foi quebrada por uma pedra jogada pelo aluno envolvido.

A secretária Municipal de Educação, Claudia Costin, considerou a agressão inaceitável. ?Episódios como este são uma agressão à toda a educação na cidade. Os alunos envolvidos que forem considerados culpados serão punidos e as famílias envolvidas na solução do grave problema de desordem?, diz a nota.

Fonte: g1, www.g1.com.br