Mãe desmaia no enterro de filha morta no avião vindo da Disney

A garota ganhou a viagem para a Disney de presente de aniversário de 15 anos

Dezenas de parentes e amigos da estudante Jacqueline Ruas, de 15 anos, que morreu no domingo (2) durante voo de volta de Orlando, nos Estados Unidos, para Guarulhos, na Grande São Paulo, acompanharam o enterro da adolescente realizado às 9h desta segunda-feira (3) em São Caetano do Sul, no ABC.

Muito abalada, a mãe da garota, Maria Aparecida Ruas, desmaiou durante o enterro e foi levada para um hospital, acompanhada pelo marido, Danilo Ruas. Jacqueline era filha única.

Presente

A garota ganhou a viagem para a Disney de presente de aniversário de 15 anos. ?Ela realizou um sonho. Um sonho que virou um pesadelo?, disse a professora Helena Ruas, 58 anos, tia-avó da adolescente. Segundo a tia-avó, diariamente, a garota conversava com a mãe via rádio e passava as novidades.

Já nos últimos dias, Jacqueline passou mal e vomitou. Com febre, foi medicada em Orlando. ?Tiraram chapa, fizeram exames e não constataram nada de mais?, afirmou o aposentado Dagoberto Ruas, tio-avô de Jacqueline.

"Ela chegou a ligar abalada porque tinha vomitado?, lembrou Magda da Paz Santos, de 39 anos, consultora e tia da adolescente. ?Pensamos que fosse manha de menina de 15 anos.?

Ainda segundo Magda, médicos norte-americanos medicaram preventivamente a garota com tamiflu, antiviral utilizado no combate à nova gripe. Por conta do quadro de saúde constatado, ela foi liberada pela equipe que a atendeu.

Antes de embarcar para o Brasil, ligou para a família. ?Ontem [sábado], ela estava com a voz normal?, acrescentou a tia.

Já no voo, por volta das 4h30, colegas de excursão chamaram a jovem, que não respondeu. Além do silêncio, o aspecto pálido que sua pele adquiriu chamou a atenção também da tripulação, que pediu auxílio para médicos que estivessem no avião.

Ao se voluntariar, o cirurgião Irineu Raseira Jr., 41 anos, foi socorrer a jovem. ?Ela já estava em parada cardiorrespiratória?, contou. Com auxílio de outro médico que estava a bordo, o oftalmologista Aníbal Fenelon, 58 anos, tentou reanimar a jovem.

Assustados com a movimentação, os outros passageiros foram acalmados pela tripulação. ?Levamos a garota ao fundo do avião, onde preparam os alimentos, e tentamos novamente reanimá-la?, afirmou Fenelon. Em vão. ?Às 5h05, constatamos que ela estava sem pulsação, com as pupilas dilatadas e fria?, acrescentou.

Ao chegar ao aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, o corpo da jovem foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) da cidade. De lá, seguiu para São Caetano do Sul, cidade onde vivia, para ser velado. O enterro está previsto para acontecer na manhã desta segunda-feira (3).

Fonte: g1, www.g1.com.br