Cerca de 100 mil ainda não foram imunizadas, diz Lobão

Cerca de 100 mil ainda não foram imunizadas, diz Lobão

A meta é que sejam vacinadas até sexta 141.496 pessoas, mas até agora, pouco mais de 30 mil receberam a dose da vacina

A Campanha Nacional de Vacinação já encerra nessa sexta-feira (26) e cerca de cem mil pessoas ainda não foram imunizadas em Teresina. A falta de doses em alguns postos foi resolvida ainda no início da campanha para garantir que todos os grupos de risco fossem vacinados. Com isso, mais de cem mil doses da vacina ainda estão disponíveis para a população.

A meta é que sejam vacinadas até sexta 141.496 pessoas, mas até agora, pouco mais de 30 mil receberam a dose da vacina. Para a população teresinense, a Fundação Municipal de Saúde tem como meta vacinar 20.922 crianças, 10.690 trabalhadores de saúde, 10.461 gestantes, 1720 puérperas, 70.481 idosos e 25.749 portadores de doenças crônicas.

O presidente da FMS, Luiz Lobão, alerta para a necessidade da imunização pelos grupos de risco. ?Essa vacina é cara e, se tomada fora da campanha, em alguma clínica particular, o paciente vai pagar por ela. Nós estamos disponibilizando de graça e é importante que as pessoas compareçam aos postos de vacinação?, disse. Para atender a população, a FMS disponibiliza 115 postos de vacinação, entre volantes e fixos.

Ele explica ainda que não há riscos de a pessoa gripar em consequência da vacina, desculpa usada por muitos para não comparecerem até os postos para a imunização. ?A pessoa toma a vacina e ela tem entre 12 e 15 dias para começar a produzir os anticorpos. Muitas vezes, na semana em que a pessoa é vacinada ela acaba gripando, não porque tomou a vacina, mas por outros motivos, como o contato com pessoas já com o vírus, por exemplo. Além disso, a vacina praticamente não tem contraindicação, por tanto é algo que só traz benefícios e as pessoas precisam aproveitar o período da campanha para serem imunizadas?, pontuou.

A vacina protege contra os seguintes subtipos de influenza: A (H1N1) ou gripe suína, A (H3N2) e B. Devem ser imunizados gestantes, idosos com mais de 60 anos, crianças entre 6 meses e menores de 2 anos, profissionais de saúde, população carcerária e doentes crônicos. Uma das novidades anunciadas pela pasta é a inclusão de mulheres em puerpério (período de até 45 dias após o parto) nos grupos prioritários para vacinação.

Fonte: Pollyana Carvalho