Mais de 40% dos óbitos de idosos são por acidentes de transporte

A FMS de Teresina apresentará trabalho sobre o tema. Confira!

Analisar a morbimortalidade por causas externas em idosos permite aos serviços de saúde pública conhecer os riscos aos quais essa população está exposta. Com o objetivo de descrever os indicadores de acidentes e violência relativos aos idosos, a partir dos sistemas de vigilância do Ministério da Saúde, SIM, SINAN, VIVA Inquérito e VIGITEL, e avaliar a existência de fatores associados, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina apresentará trabalho com a temática durante o I Congresso Internacional de Saúde Pública do Delta do Parnaíba (COPISP), que será realizado na Universidade Federal do Piauí, Campus Ministro Reis Velloso, em Parnaíba, e acontecerá de 30 de outubro a 2 de novembro de 2015. 

O trabalho “Vigilância de Violências e Acidentes em Idosos através dos Sistemas de Informação em Saúde: Integração de Informações Processadas” será apresentado no dia 31, sábado, por Elaine Monteiro da Costa, da Gerência de Vigilância de Agravos Não Transmissíveis (GEVIDANT/FMS). “A realidade encontrada em Teresina assemelha-se a experiências descritas em outros estudos que apontam a alta prevalência de quedas e lesões no trânsito entre os idosos, sobretudo pedestres, tanto entre os eventos fatais quanto as ocorrências que resultaram em internações hospitalares”, diz Elaine.

Segundo o Sistema de Vigilância de Violência e Acidentes (VIVA Inquérito), em Teresina, no conjunto das causas externas, os acidentes de transporte foram a principal causa de óbito em idosos (40,5%) em 2014. As quedas foram o principal motivo de procura dos idosos nos serviços de urgência e emergência (44,7%). “A maioria dos idosos vitimados por causas externas são do sexo masculino (86,6%, segundo o Sistema de Informação de Mortalidade – SIM)”, explica Elaine Monteiro da Costa.

Dados do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) indicam que, para violência, a maioria das vítimas eram mulheres (90,9%). Contudo, no SIM, a maioria dos idosos vítimas de violência eram homens (93,7%). O tipo de violência mais prevalente é a violência física, que representa 72,7% das notificações. 

Fonte: Assessoria