Mariana é homenageada no Orkut

O clima de luto também é vivido na cidade de Marechal Foriano (ES)

A modelo Mariana Bridi, 20 anos, que morreu neste sábado (24), após sofrer choque séptico, em Serra (ES), recebeu homenagens em comunidades no site de relacionamento Orkut.

Em algumas das páginas, a modelo é tratada como uma estrela, em outras, os moderadores fazem agradecimentos pelas manifestações de apoio à família de Mariana Bridi.

O clima de luto também é vivido na cidade de Marechal Foriano (ES), que está em luto de três dias após o sepultamento da modelo. Ela nasceu na cidade e foi enterrada no Cemitério Luterano, horas depois de sua morte.

<b>Veja Matéria do Fantástico</b>

<object width="480" height="392"><param value="http://video.globo.com/Portal/videos/cda/player/player.swf" name="movie" /><param value="high" name="quality" /><param value="midiaId=954276&autoStart=false&width=480&height=392" name="FlashVars" /><embed width="480" height="392" flashvars="midiaId=954276&autoStart=false&width=480&height=392" type="application/x-shockwave-flash" quality="high" src="http://video.globo.com/Portal/videos/cda/player/player.swf"></embed></object>

<b>Visitação</b>

A administração do cemitério disse que o jazigo da modelo virou local de visitações de moradores de Marechal Floriano e e de cidades de vizinhas. A morte de Mariana surpreedeu até os médicos.

O irmão da modelo, Gustavo, de 24 anos, disse que a família pretende marcar a missa de sétimo dia para o próximo domingo (1º). "Ainda não sabemos o que vamos fazer com as faixas de concurso de beleza que minha irmã ganhou em sua carreira. Ficarão guardadas."

Gustavo disse ainda que a família não pretende se engajar em campanhas que busquem esclarecer dúvidas da população sobre os problemas que ocasionaram a morte de Mariana Bridi. "Não somos qualificados para isso. Acho que nossa cota sobre esse assunto se esgotou."

<b>Inflamação grave e rara</b>

A inflamação que acometeu a modelo Mariana Bridi é considerada grave e rara por especialistas do Instituto Latino Americano de Sepse (Ilas). Ela teve as mãos e pés amputados após um choque séptico.

Apesar de rara, a sepse atingiu 400 mil pacientes e provocou a morte de 230 mil pessoas em 2004, segundo estudo realizado pelo Ilas. "Isso representa uma mortalidade cerca de 12 vezes maior do que o número de mortes provocadas por infarto", disse Nelson Akamine, diretor do Ilas e integrante do comitê de sepse da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB).

Fonte: g1, www.g1.com.br