Matizes cobra implantação de políticas para população LGBT no Piauí

A Política Nacional de Saúde LGBT foi desenvolvida pelo Ministério da Saúde, em 2012, com orientações e diretrizes para guiar o Sistema Único de Saúde (SUS) no atendimento a lésbicas, gays, bissexuais

Durante reunião com o secretário estadual de Saúde, Francisco Costa, na quarta-feira (5), o Grupo Matizes cobrou a implantação da Política Nacional de Saúde Integral para a população LGBT no Piauí. O encontro foi realizado na sede da Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi), no Centro Administrativo, zona Sul de Teresina.


A Política Nacional de Saúde LGBT foi desenvolvida pelo Ministério da Saúde, em 2012, com orientações e diretrizes para guiar o Sistema Único de Saúde (SUS) no atendimento a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.

São objetivos dessa Política a capacitação dos profissionais de saúde para o atendimento de LGBTs; garantir o uso do nome social nos procedimentos; realizar campanhas e outras atividades contra o preconceito e a discriminação de LGBT nos serviços de saúde; dentre outros.

Segundo Carmem Ribeiro, coordenadora do Matizes, a efetivação da Política de Saúde LGBT reforça a ideia da saúde como um direito universal, conforme garante a Constituição Federal.

"É de suma importância que esta política seja implantada em nível estadual, através da Sesapi, como prevê o próprio Ministério da Saúde. Essa política, que traz importantes diretrizes de atendimento do público LGBT, precisa sair do papel o quanto antes, até para que se diminua o preconceito e a discriminação dentro das unidades de saúde", defende Carmem Ribeiro.

O secretário estadual de Saúde, Francisco Costa, afirma que vai trabalhar pela implantação das principais diretrizes da Política Nacional de Saúde LGBT no SUS do Piauí. Além do Matizes, diversos militantes dos direitos humanos do Estado participaram da reunião.

Fonte: Jornal Meio Norte