MEC divulga lista com 36 instituições que aderiram ao exame Revalida

Maioria das instituições que vão fazer parte do programa são do Nordeste. Unesp, UFRJ e UNB estão entre as universidades que aderiram.

O Ministério da Educação divulgou nesta segunda-feira (30) a lista das instituições de ensino superior que aderiram ao Programa de Revalidação de Diplomas de Médico obtidos no exterior (Revalida) para o ano de 2013. No total, 36 instituições aderiram ao programa.

O Nordeste registrou o maior número de universidades, com 12. Em seguida estão: Sudeste com 8, Sul com 7, Norte com 5 e Centro-oeste com 4.

O Revalida é um exame nacional criado pelo Ministério de Educação que representa a porta de entrada tanto para estrangeiros quanto brasileiros que se formaram no exterior exercerem a medicina no Brasil. Ele é uma exigência para que o diploma seja válido no país e foi criado em 2011 com o objetivo de unificar o processo de revalidação em consonância com as diretrizes curriculares nacionais dos cursos de medicina.

No final de agosto, a primeira fase da prova do Revalida teve abstenção de 10,7%. Dos 1.772 inscritos, 190 não compareceram, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A prova foi aplicada em 10 cidades.

Veja a lista de instituições federais por região:

Norte

- Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

- Universidade Federal do Acre (UFAC)

- Universidade Federal de Roraima (UFRR)

- Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

- Universidade do Estado do Amazonas (UEA)

Nordeste

- Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

- Universidade Federal do Ceará (UFC)

- Universidade Federal do Piauí (UFPI)

- Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

- Universidade Federal da Bahia (UFBA)

- Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

- Universidade Federal de Sergipe (UFS)

- Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

- Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

- Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL)

- Universidade Estadual do Ceará (UECE)

- Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Centro-Oeste

- Fundação Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

- Universidade Federal de Goiás (UFG)

- Universidade de Brasília (UNB)

- Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Sudeste

- Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

- Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

- Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

- Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

- Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

- Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

- Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

- Universidade de Taubaté (UNITAU)

Sul

- Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)

- Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

- Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

- Universidade Federal do Paraná (UFPR)

- Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

- Universidade Estadual de Londrina (UEL)

- Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

- Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Sobre o exame

Segundo informações divulgadas no site do Inep, o exame cobra habilidades e competências das cinco grandes áreas da medicina: cirurgia; medicina de família e comunidade; pediatria; ginecologia-obstetrícia e clínica médica. Há níveis de desempenho esperados para as habilidades específicas de cada área.

O exame é aplicado em duas etapas: avaliação escrita, composta por uma prova objetiva, com questões de múltipla escolha, e uma prova discursiva. Numa segunda etapa, é realizada a avaliação de habilidades clínicas.

Pelo exame, enquanto o médico não for aprovado e não obtiver a revalidação do diploma pelas instituições do ensino público, ele fica impedido de atuar no país. Se um médico for reprovado no Revalida, ele pode se inscrever para fazer o exame do ano seguinte.

Na edição de 2012, 884 pessoas de várias partes do mundo se inscreveram para o Revalida, e apenas 77 (menos de 9%) conseguiram a aprovação no exame. O Brasil respondeu pela grande maioria dos inscritos (560), mas apenas 7% dos candidatos foram aprovados. O país ficou na sexta colocação no ranking de índices de aprovação. Os países que obtiveram o maior êxito neste quesito foram Venezuela (27%) e Cuba (25%), apesar de o número absoluto de inscritos ter sido pequeno. Nenhum candidato com nacionalidade de países da Ásia, África ou América do Norte conseguiu passar na prova do MEC.

Fonte: G1