Medicamento para dormir deixa homem impotente após efeito colateral ter provocado 10 dias de ereção

A droga o fez ficar semanas com uma ereção altamente dolorosa, danificando estruturas em seu pênis e o deixando permanentemente impotente

Um homem sofreu com um grave efeito colateral após tomar um medicamento.


A droga o fez ficar semanas com uma ereção altamente dolorosa, danificando estruturas em seu pênis e o deixando permanentemente impotente.

O órgão desenvolveu fibrose – onde as artérias e músculos do pênis tornam-se endurecidas com um tecido fibroso – como resultado de uma ereção contínua, considerada pelos urologistas como altamente prejudicial. O medicamento ainda o deixou com dificuldade para urinar.

Agora, Edward Stalling, irá processar o hospital e o médico por não terem lhe informado claramente quais seriam os possíveis efeitos colaterais do comprimido receitado a ele para dormir melhor.

Stalling desenvolveu Transtorno de Estresse Pós-Traumático e tinha crises de insônia. De acordo com seu médico, o medicamento Trazodona poderia ajudá-lo no processo de ansiedade, fazendo-o dormir.

Ele comentou que tomou a droga por alguns meses, mas ainda possuía problemas para dormir. Após passar um período sem tomar o medicamento, resolveu tomar uma última vez, sofrendo com os efeitos logo em seguida: “Tomei o remédio de noite e quando acordei já estava com o problema”, disse.

O paciente comentou ainda que, ao perceber que a ereção não queria diminuir, procurou o hospital, mas seu médico teria “feito um espetáculo da situação”: “Ele disse que eu deveria me aliviar com todas as mulheres”, disse Stalling. O constrangimento não parou por aí. Segundo ele, o médico “espalhou” a história pelo hospital e vários médicos, enfermeiros e funcionários foram até seu quarto conferir.

A trazodona é um antidepressivo, mas também prescrito para aliviar insônia. Um de seus efeitos colaterais, considerado raro, é a ereção contínua e muito dolorosa, que pode ocorrer com 1 a cada 10.000 ou 20.000 usuários.

Priapismo é o termo clínico usado para classificar uma ereção contínua anormal provocada por doenças ou drogas.

Em nota, o The Medical Center Atlanta, afirmou: “Nós colocamos a mais alta prioridade na prestação de cuidados de qualidade, respeito e privacidade com os pacientes. Nosso foco sempre foi o de entregar esse cuidado em um ambiente profissional, compassivo e seguro. Quando problemas ocorrem em nosso sistema, realizamos avalições para identificar, corrigir e trabalhar para evitar riscos. Seria inapropriado comentarmos este caso sem o consentimento do paciente”.

Clique aqui e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: DailyMail