Médicos brigam durante cirurgia e são levados a delegacia

Neurologista e anestesista se desentenderam em atendimento

Dois médicos se desentenderam e brigaram dentro do centro cirúrgico de um Pronto-Socorro na cidade de Manaus, capital do Amazonas, enquanto se preparavam para uma cirurgia. O caso ocorreu na noite de quinta-feira (4). Segundo funcionários, um neurologista e um anestesista atendiam um adolescente, de 14 anos, internado com lesões na cabeça, quando houve a discussão.

Funcionários disseram que os dois iniciaram uma discussão por causa do procedimento cirúrgico, em seguida, o anestesista, de 69 anos, deu um choque no braço do neurologista, de 39 anos. Ao receber o choque, o neuro teria dado um golpe no colega, fazendo-o cair com o rosto no chão.

Um boletim de ocorrência sobre o caso foi registrado no 9º Distrito Integrado de Polícia (DIP), na capital. No documento consta que os dois entraram em vias de fato devido uma discussão entre eles durante um procedimento cirúrgico. O neurologista tinha escoriações na boca, e o anestesista apresentava escoriações no braço esquerdo, mão direita e pescoço.

De acordo com a Polícia Militar (PM), que foi acionada ao local, a briga teria iniciado "por conta de procedimento cirúrgico mal conduzido por um dos agressores". Ainda conforme a PM, eles assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e foram liberados.

A direção informou ainda que o hospital também tomou a iniciativa de registrar Boletim de Ocorrência para que os fatos sejam também apurados na esfera policial.

"A direção do hospital repudia esse tipo de procedimento e tomará as medidas para coibir atos semelhantes. Quanto ao paciente, um menino de 14 anos, a unidade informa que ele deu entrada no hospital em estado grave, após cair de uma laje. A cirurgia foi realizada e a criança encontra-se na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), como requer o caso. Todos os cuidados estão sendo adotados para sua recuperação", diz trecho da nota.


Caso ocorreu nas dependências do Hospital João Lúcio (Crédito: G1)
Caso ocorreu nas dependências do Hospital João Lúcio (Crédito: G1)


Fonte: Com informações do G1