Médicos cruzam os braços e pacientes ficam sem cirurgia no Hospital infantil

Com a paralisação aumenta a fila de espera por uma cirurgia local

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA SEXTA-FEIRA (03) DO JORNAL MEIO NORTE

Há quase uma semana, as cirurgias eletivas do Hospital Infantil estão sendo desmarcadas, por causa de uma paralisação realizada pelos cirurgiões que atuam no local. Com isso, aumenta ainda mais a espera dessas crianças que precisam do procedimento cirúrgico e aumenta a fila de espera por uma cirurgia no local.

Os pais que estão vindo do interior do Piauí são os mais prejudicados com essa suspensão dos procedimentos cirúrgicos. O agricultor Valdir Oliveira da Silva, que mora na cidade de Manoel Hemídio, veio ontem (02) pela segunda vez, para tentar a cirurgia de sua filha. Ele conta que foi chamado pelo Hospital, a primeira vez, para que ele comparecesse ao local no dia 30 de setembro para a realização da cirurgia.

“Quando nós chegamos aqui, fomos avisados que não havia mais vagas e que nós deveríamos voltar no dia 02 de outubro. É ruim quando isso acontece, pois a gente faz esforço, vem de longe e quando chega aqui tem que voltar para casa, sem fazer a cirurgia”, reclamou. Uma servidora do hospital, que não quis se identificar confirmou que, nos últimos dias, várias pessoas, assim como Valdir, tiveram que voltar para casa sem realizar a cirurgia que estava marcada com antecedência.

 

Clique aqui e curta o meionorte.com no Facebook

Fonte: Pollyanna Carvalho