Médicos do HU paralisam os serviços a partir desta quinta

Os médicos reivindicam o pleno funcionamento do Hospital Universitário da UFPI, que deveria atuar como centro de alta complexidade

Está marcada para começar hoje (20) a paralisação dos médicos do Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí. A paralisação foi aprovada por unanimidade durante assembleia geral realizada no dia 13 deste mês, ficando acordado que os médicos paralisariam nesta quinta e também amanhã (21). Mesmo com a paralisação, serão resguardados os atendimentos aos casos de urgência e emergência.

Ao todo, cerca de cem médicos que trabalham no hospital vão participar da paralisação. As principais reivindicações são referentes ao funcionamento pleno do HU, cumprimento da legislação trabalhista por parte da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares ? EBSERH, e melhores condições de trabalho. De acordo com Lúcia Santos, presidente do Sindicato dos Médicos do Piauí - Simepi, a paralisação é para chamar atenção da EBSERH.

?Essa paralisação é devido a falta de resolubilidade do HU. Em um hospital de grande porte, como é o HU, não são realizadas, por exemplo, cirurgias de grande porte.

Os médicos até tentam, mas têm entraves?, comenta a presidente, ao destacar que a privatização do hospital era para dar agilidade, mas até o momento ele não tem rapidez e funcionabilidade alguma.

Entre as dificuldades apresentadas pelo hospital, está o reduzido índice de uso das unidades de terapia intensiva. De um total de 20 leitos disponíveis no HU, apenas 5 estão sendo utilizados. Os outros permanecem inativos, um contrassenso diante da conhecida falta de vagas em UTIs que existem no Piauí.

?Faltam até mesmo insumos básicos para a realização dos procedimentos. Sem falar que os funcionários não recebem insalubridade. Tanto esses, como outros problemas não podem ser resolvidos pela direção local, o que dificulta ainda mais?, finaliza.

Dentro da paralisação, os médicos farão concentração em frente ao hospital, a partir das 7 horas. Para amanhã, os médicos programaram, como forma de protesto, a doação de sangue no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí - HEMOPI, a partir das 8 horas.

Fonte: Aline Damasceno