Menor de idade mata jovem de 19 anos a facadas por ciúmes do namorado

egundo a polícia, a vendedora levou nove facadas no abdômen, braços, pescoço e cabeça. Ela chegou a ser socorrida por uma testemunha, mas já chegou morta ao hospital.

Uma vendedora de 19 anos foi morta a facadas na terça-feira (20) na porta da loja de calçados onde trabalhava, em Piracanjuba, no sul de Goiás. Segundo a Polícia Civil, Gabrieli Rodrigues dos Santos foi atacada por uma garota de 16 anos, que foi apreendida logo depois do crime.


De acordo com o delegado Vicente de Paulo Silva e Oliveira, a suspeita confessou o crime alegando que agiu por ciúmes, porque a vítima estaria se relacionando com o seu namorado.

O delegado explicou ainda que está investigando se a adolescente namorava ou não o rapaz em questão, que já tem várias passagens pela polícia. "Ela conhecia o rapaz e testemunhas afirmaram que os dois mantinham contato. Porém, não podemos afirmar que estavam namorando. Informalmente, o pai dela me disse que ele já havia mandado flores para ela, mas negou algum envolvimento. Tudo isso será apurado", afirmou ao G1.

Um amigo de Gabrieli, que não quis se identificar, disse ao G1 que não acredita no envolvimento dela com o rapaz. "Ela já estava namorando com outra pessoa há cerca de três meses", revelou. Ele contou que a vendedora era uma pessoa "tranquila e que se dava bem com todo mundo".

De acordo com as investigações, a menor consumiu drogas e foi até a loja onde a vítima trabalhava. Ao chegar, pediu um copo de água. Gabrieli atendeu ao pedido e, quando ia guardar o copo no interior da loja, foi atacada pela suspeita.

Segundo a polícia, a vendedora levou nove facadas no abdômen, braços, pescoço e cabeça. Ela chegou a ser socorrida por uma testemunha, mas já chegou morta ao hospital.

Após cometer o homicídio, conforme explica o delegado, a adolescente seguiu para uma praça próxima e começou a "brincar" com a faca, ameaçando pessoas que estavam no local. Ela foi apreendida e está na Cadeia Municipal à espera de uma vaga em um centro de internação de menores.

A suspeita deve ser indiciada pelo ato infracional análogo ao crime de homicídio. Caso seja condenada a uma medida socioeducativa, ela pode ficar internada, no máximo, por três anos.

Fonte: G1