Ministério avalia aplicar o Enem na 2ª quinzena de novembro

Ao todo, 4,1 milhões de estudantes se inscreveram para o Enem deste ano

O ministério da Educação (MEC) informou neste sábado que trabalha com a possibilidade de aplicar a nova prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) da segunda quinzena de novembro. A avaliação estava marcada para este final de semana, mas o vazamento de questões obrigou o governo a cancelar o exame. Ao todo, 4,1 milhões de estudantes se inscreveram para o Enem deste ano em 1.829 municípios.

O ministro da Educação, Fernando Haddad, passou o sábado reunido com técnicos do ministério e pretende se reunir na próxima segunda-feira com 55 reitores de universidades públicas e outros 38 de instituições federais de ensino para avaliar os possíveis efeitos do adiamento da prova nos vestibulares. Por hora, o MEC descarta aplicar a prova em dezembro, por considerar que a divulgação dos resultados só ocorreria em meados de fevereiro, o que atrasaria todos os vestibulares.

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Reynaldo Fernandes, informou que o governo avaliou neste sábado os detalhes da reprodução da prova feita na gráfica, o manuseio dos exercícios e a distribuição da prova nos locais do exame. O governo considera que é na distribuição que existe o ponto de maior fragilidade e possível alvo dos fraudadores.

Independentemente da data do novo Enem, o MEC já tem prontas duas novas provas - uma delas registrada como reserva para eventuais problemas na futura aplicação do exame. Neste domingo o ministério realizará uma nova reunião com a equipe técnica para tentar descobrir os garagalos que facilitaram o vazamento de questões do Enem 2009.

Até o momento não está descartada a ajuda das Forças Armadas ou dos Correios para garantir a credibilidade e a inviolabilidade dos futuros exames. A Polícia Federal já abriu inquérito para apurar a responsabilidade pela divulgação de questões relacionadas ao exame. O consórcio Connasel, responsável pela prova, apresentou na sexta-feira suas versões sobre as eventuais falhas na segurança do exame e segundo fontes do MEC terá de apresentar respostas sobre o problema ainda nesta segunda-feira.

Por enquanto, o governo ainda não pretende pedir a rescisão do contrato com o consórcio, mas já trabalha com a possibildade de um contrato emergencial que permitira a elaboração de um novo Enem em prazo hábil e ainda avalia as chances de um exame promovido apenas pelo MEC e pelo Inep.

Cancelamento

O exame de Ensino Médio, que seria realizado neste sábado e domingo, foi cancelado após suspeitas de vazamento de questões. As suspeitas de fraude no exame ocorreram após um homem ter telefonado para o jornal O Estado de S. Paulo informando que tinha em mãos duas das provas que seriam aplicadas no sábado pelo Ministério da Educação. Nas provas havia questões com o poema Canção do Exílio, de Gonçalves Dias, uma tirinha da personagem argentina Mafalda e um exercício sobre índices de desmatamento na Amazônia.

Fonte: Terra, www.terra.com.br