Ministério Público denuncia mais três pessoas acusadas por fraude no leite

O terceiro denunciado é Rogério Luiz Vanot


Ministério Público denuncia mais três pessoas por fraude no leite

O Ministério Público Estadual apresentou denúncia contra três representantes da Cooperativa Agroindustrial do Paraná (Confepar), resultante da sexta fase da Operação Leite Compen$ado. Preso na semana passada, Fernando Júnior Lebens, responsável pela captação no posto de resfriamento da cooperativa em São Martinho, no Noroeste gaúcho, é um dos denunciados.

O MP apresentou denúncia ainda contra Marildo Galon, chefe de captação de leite da cooperativa na Região Sul, que segue foragido. O terceiro denunciado é Rogério Luiz Vanot, gerente de qualidade da empresa em Londrina, que não teve pedido de prisão decretado. Os três transportadores presos na semana passada não foram incluídos na denúncia e deverão ser investigados em liberdade.

? Não conseguimos concluir as investigações nesses 10 dias. Não tínhamos elementos conclusivos para denunciá-los, por isso opinamos pela liberdade ? explica o promotor Mauro Rockenbach, responsável pelas investigações criminais.

Conforme o MPE, a fabricante de leite UHT e derivados da marca Polly tinha conhecimento de que adquiria o produto em condições impróprias para consumo ? ou seja, leite velho ou ácido. A cooperativa, com sede em Londrina, busca em média 6,5 milhões de litros de leite por mês no Rio Grande do Sul. Os produtos industrializados da Confepar não são vendidos no Estado.

Os três denunciados na sexta fase da operação irão responder por 25 crimes previstos no Artigo 272 do Código Penal, que trata da adulteração de produtos alimentícios, e prevê pena de quatro a oito anos de prisão, além de multa. Desde a última semana, o posto de resfriamento da Confepar segue em regime especial de fiscalização ? até nenhum problema ser detectato em três dias seguidos.

? O que não aconteceu até agora. Planilhas encontradas na unidade indicam inclusive resultados duplos do leite recebido. Isso quer dizer: a indústria sabia que o leite era impróprio para consumo e mascarava as análises apresentadas à fiscalização ? explica Rockenbach.

Fonte: Zero Hora