Ministro da Educação garante que governo não fará mais nenhuma proposta a grevistas

Ministro da Educação garante que governo não fará mais nenhuma proposta a grevistas

Nesta semana, a gestão Dilma apresentou a segunda versão de reajustes, que vão de 25% a 40% até 2015.

O governo não conseguirá melhorar a proposta de aumento aos grevistas das universidades federais, afirmou ontem o ministro da Educação, Aloizio Mercadante.

Nesta semana, a gestão Dilma apresentou a segunda versão de reajustes, que vão de 25% a 40% até 2015. Antes, começavam com 12%.

"Não conheço nenhuma outra categoria que tenha proposta como essa, neste momento de crise internacional", afirmou o ministro em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

O principal sindicato diz que o salário deveria dobrar e que a greve deve continuar. Aponta que boa parte do reajuste será abatida pela inflação --indicador que deve somar ao menos 15% nos três anos, avalia o ministro.

A greve dura mais de dois meses. Em São Paulo, a Unifesp e a UFABC seguirão na paralisação. A UFSCar indica que pode sair do movimento.

O governo não poderia ter evitado essa greve?

Aloizio Mercadante - Quando cheguei, havia o compromisso de reajuste de 4% e de discussão sobre a nova carreira. O Congresso não aprovava o aumento, mas conseguimos fazer via medida provisória. Apesar disso, logo em seguida começou a greve, mesmo com o meu compromisso de que seria discutida a carreira [o sindicato diz que o processo estava atrasado].

A proposta feita pelo governo nesta semana é a final?

Sim. O governo reconhece que a carreira está defasada e garante reajuste de ao menos 25% para os próximos três anos, mesmo neste cenário de crise internacional. Não conheço outra categoria que tenha proposta como essa.

Mas já há universidades dizendo que manterão a greve.

E outras saindo. Esperamos que tudo seja resolvido em breve, pois pode haver prejuízos para o ano letivo.

Pensando sua gestão como um todo, afirma-se que ela será lembrada pelo sucesso ou fracasso na alfabetização das crianças de até oito anos.

A alfabetização na idade certa é prioridade histórica e será estratégica nesta gestão. Apresentamos um pacto com Estados e municípios para capacitar professores-alfabetizadores e aceleramos construção de creches.

A alfabetização já não deveria ter sido atacada?

Cada gestão deu sua contribuição. No governo Fernando Henrique Cardoso, veio o Fundef, fundo que ajudou a ampliar as matrículas.

No governo Lula, o fundo foi ampliado e vieram o Prouni [bolsas em universidades privadas] e o Reuni [expansão das universidades federais]. Agora é a alfabetização.

O sr. é criticado por não defender os 10% do PIB para a educação [projeto que está no Congresso]. E pela falta de um plano para a educação.

Sem definir qual a fonte de financiamento, como alcançarmos uma meta assim?

Sobre o plano, esperamos a definição do Plano Nacional da Educação. Mas já estamos com ações focadas, como o pacto pela alfabetização e consolidação do Reuni.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br