Morador de rua recusa proposta de R$ 2 mil por cão: "Não vendo"

Morador de rua recusa proposta de R$ 2 mil por cão: "Não vendo"

Cachorro tem sabonete, toma banho na praia e até vai o veterinário.

?Se ele morrer, eu morro também?. É com estas palavras e os olhos cheios de lágrimas que o morador de rua Luiz Fernando Gomes de Araujo fala sobre seu fiel companheiro de quatro patas, o cachorro Joe. A inseparável dupla vive em uma rua do bairro do Marapé, em Santos, no litoral de São Paulo, e chama a atenção de quem passa pelo local. Até propostas para vender o animal ele já recebeu, e recusou.

Sentado em um pedaço de papelão, Luiz Fernando escova com cuidado os pelos do animal esparramado em seu colo. A cena se repete há alguns meses em uma esquina da Rua Dom Duarte Leopoldo e Silva, onde dono e animal improvisaram um lar. Mas, o encontro dos dois, aconteceu um pouco mais longe. ?Eu achei o Joe no cais do porto. Estava passando um tempo lá. Isso tem nove meses?, lembra o morador.

De acordo com ele, o cãozinho tinha dona antes de ser abandonado. Quando foi encontrado, Joe estava doente e cheio de carrapatos. ?O pessoal daquela região contou que ele morava em um apartamento e que a dona não podia mais ficar com ele. Como não achou quem adotasse, soltou o bichinho lá e eu achei. Ele não tinha um pedaço da orelha e estava com carrapatos, mas eu tratei ele?, comemora.

O morador dá de tudo para o bichinho: de comida a tratamento VIP no veterinário. ?Levo para passear de coleira, dou banho no chuveirinho da praia. Ele tem o sabonete dele. Tinha pasta e escova de dente também, mas roubaram. E vai ao veterinário quando precisa?, explica, comentando que o cachorro é atendido gratuitamente por uma clínica do bairro. E os mimos continuam quando é hora de comer. ?Ele tem a ração dele, mas prefere arroz com carne na hora do almoço. É metido?, brinca.

O animal carrega saquinhos de sal presos na coleira: um na frente, outro na parte de trás. ?É para proteger e espantar o mau olhado?, afirma o dono, que já recebeu até propostas para vender o animal. ?Um rapaz me ofereceu R$ 2 mil e eu recusei. Depois, uma mulher perguntou se eu queria um valor maior, que ela pagava. Não vendo esse cachorro por nada, ele é a minha família?, conta. ?Onde ele for eu vou, porque é ele quem me puxa?.

Vida na rua

Apesar da linda amizade, a vida está longe de ser simples para essa dupla. No bairro, Luiz Fernando é conhecido como João de Barro por alguns moradores, por guardar seus poucos pertences no topo de uma árvore. ?Preciso fazer isso para que não levem o pouco que tenho?, explica o morador, que teve uma bicicleta roubada recentemente. O veículo foi dado de presente pelos moradores e comerciantes do bairro, onde ele realiza serviços em troca de comida.

Luiz Fernando não usa drogas, não bebe e não tem passagens pela polícia. A rua o acolheu quando ele perdeu a mãe e, anos depois, a tia. ?Tenho um filho, mas pouco contato com ele. A mãe dele também morreu, contraiu AIDS de um homem que conheceu quando me deixou?, relata.

A história do morador de rua vem comovendo a todos que vivem na região. Para melhorar a qualidade de vida da dupla, eles procuram alguém que se disponha a empregar o rapaz e dar moradia para ele e seu companheiro. A ideia lhe parece animadora. ?Tudo o que eu mais quero é ter um teto só nosso. Aí não vou precisar acordar preocupado com ele (o cão) e com as minhas coisas?, finaliza Luiz Fernando.


Morador de rua recusa proposta de R$ 2 mil por cão:

Morador de rua recusa proposta de R$ 2 mil por cão:

Fonte: G1