Moradores da zona Leste reivindicam pavimentação de ruas

“Fica tudo alagados e os carros passam com dificuldade. Os ônibus e caminhões nem tentam. O mato também prejudica a gente”, relata.

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA QUINTA-FEIRA (16) DO JORNAL MEIO NORTE

Por: Lucrécio Arrais

Os moradores dos bairros Piçarreira, Uruguai e Parque Universitário, zona Leste de Teresina, reclamam da atual situação de muitas ruas daquela região. As ruas estão completamente esburacadas e destruídas, e com as chuvas a situação piorou drasticamente. A Prefeitura promete um plano de pavimentação de ruas desta região.

No caso do bairro Piçarreira, que é um dos mais prejudicados, as ruas já possuem uma inclinação íngreme, com muitos altos e baixos em razão do revelo do bairro, próximo no encontro com o Satélite. Somando isso às ruas sem asfaltamento ou ao menos um calçamento, andar por ali é bastante complicado.

A exemplo de Stefany Rodrigues, que mora há 23 anos na localidade. Ela denuncia a situação, que está assim desde sempre. “Fica tudo alagados e os carros passam com dificuldade. Os ônibus e caminhões nem tentam. O mato também prejudica a gente”, relata.

Em resposta às demandas da comunidade e da presente situação das ruas dos bairros Uruguai e Parque Universitário, já está concluído o processo licitatório de contratação da empresa que fará a pavimentação em paralelepípedo e sinalização vertical viária de mais de 30 ruas daquela localidade. O objetivo é dar melhores condições de mobilidade urbana aos moradores destes bairros. Sobre o bairro Piçarreira, ajustes deverão ser feitos de acordo com a disponibilidade da prefeitura.

O procedimento está encaminhado para homologação da Superintendência de Desenvolvimento Urbano da zona Leste (SDU/Leste), que deve convocar a empresa para iniciar o trabalho. Os recursos para a construção destas vias são advindos do Governo Federal, através dos Ministério das Cidades, em ordem de R$ 3.343.431,4. O prazo para o término é 180 dias, que são contatos a partir da assinatura da ordem de serviço.

Fonte: Lucrécio Arrais