Moradores de residencial na zona sul de Teresina sofrem as consequências dos alagamentos

Essa situação acontece porque as pedras do calçamento das ruas do Residencial são levadas pela força da água das enchentes

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA TERÇA-FEIRA (31) DO JORNAL MEIO NORTE

Os moradores do Residencial Torquato Neto, zona Sul de Teresina, estão cada vez mais incomodados com as consequências trazidas pelos constantes alagamentos em pontos da região. É que as ruas de calçamento do bairro estão sendo apelidadas de “calçamento sonrisal”, pois a água, literalmente, “dissolve” as ruas.

Essa situação acontece porque as pedras do calçamento das ruas do Residencial são levadas pela força da água das enchentes, que começam logo nos primeiros minutos de chuva. No caso da chuva de domingo (29) para segunda-feira (30), que foi bastante forte, o resultado foi um rastro de destruição, traduzido em lama e muitos buracos.

A comunidade reclama que o material utilizado para pavimentar as ruas da região é muito ruim, e que o serviço não foi realizado de maneira adequada. “O calçamento do Torquato Neto é de péssima qualidade, nem é de paralelepípedos. Qualquer chuva leva tudo. A situação está tão grave que até uma lombada foi arrancada pela força da água”, reclama o morador Ismael Araújo.

Segundo Ismael, a culpa de toda essa situação é da construtora responsável pela construção do residencial, bem como a pavimentação das ruas e o sistema de contenção hídrica, que não existe. “A construtora agiu de forma muito irresponsável. Não foi construído nenhum sistema para recolher toda a água que desce do Portal da Alegria e do Porto Alegre. E o resultado é toda essa destruição”, aponta.

Outro problema são os animais silvestres da área. Além de morrem afogados ou levados pela chuva, muitos bichos acabam entrando nas residências. “Cobras, principalmente. Os bichos também estão sofrendo com as chuvas”, lamenta Ismael.

A reportagem buscou informações junto à Superintendência de Desenvolvimento Urbano da zona Sul (SDU/Sul), através do superintendente executivo. “No ano passado recuperamos e asfaltamos a rua principal, mas as ruas intermediárias são um riacho, um rio mesmo. Ali é uma situação que não tem pavimento que resista. Mas garanto que a prefeitura já está finalizando o projeto da galeria do Torquato Neto, junto ao PAC [Programa de Aceleração do Crescimento] e o Ministério das Cidades”, declara Paulo Roberto Nonato.

Segundo Paulo Roberto, a obra deve resolver a situação, mas durante este inverno os moradores vão continuar sofrendo com as consequências. “Essa obra ai amenizar e muito o problema. A previsão é que seja licitado em junho, mas nesse inverno deste ano não temos como fazer nada. No final do ano veio um técnico do Ministério das Cidades para uma visita técnica. A Caixa também visitou o local com a gente, e também vai nos ajudar a sanar o problema”, afirma o superintendente executivo.

Repórter: Lucrécio Arrais

Fonte: Lucrécio Arrais