Moradores querem fechamento de casa para tratar drogados

Uma ação judicial tramita na 2ª Vara da Fazenda Pública.

Rua Tibério Nunes, bairro Ilhotas (zona Leste de Teresina), é onde funciona a Casa de Acolhimento Transitório Infantojuvenil ?Acolher para cuidar? ? CATi, entidade criada pela Prefeitura de Teresina para atender jovens entre 10 e 18 anos usuários de drogas. Só que o projeto na prática já é alvo de polêmica, moradores e empresários próximos à casa temam que a criminalidade avance na região.

Uma ação judicial tramita na 2ª Vara da Fazenda Pública para que a casa passe a funcionar em outro local.

Segundo a coordenação da CATi, é importante que os jovens passem por um processo de ressocialização em bairros populosos como o Ilhotas, por exemplo. Esse temor de que vai aumentas a criminalidade na região, para o CATi é injustificável. ?A casa foi criada para tender crianças e adolescentes, que dada a situação de vulnerabilidade recaiam no uso de substâncias ilícitas. Os usuários da CATi não estão em medida socioeducativa. E o uso de drogas, até onde eu tenha conhecimento, não é crime?, explica a coordenadora da casa, a psicóloga Caroline Arnaud.

Fonte: Ricardo Moura Fé