Morre sertanejo que fez dupla com Zezé di Camargo em 1970

Morre sertanejo que fez dupla com Zezé di Camargo em 1970

Eles fizeram shows e se apresentavam em programas de rádio e televisão.

O cantor Deoclides José da Silva, 63 anos, conhecido no meio sertanejo goiano como Neilton, foi enterrado no Cemitério Jardim da Paz, em Aparecida de Goiânia, na quinta-feira (20). Ele morreu um dia antes, após um ataque cardíaco, no Instituto de Urologia Sírio Libanês, no Setor Aeroporto, em Goiânia.

Pouco conhecido pelos mais jovens, Neilton foi o segundo parceiro de Zezé di Camargo, 50 anos, com quem formou a dupla Neilton e Mirosmar - o verdadeiro nome de Zezé é Mirosmar José de Camargo. Eles começaram a parceria depois da morte de Emival, da dupla Camargo e Camarguinho, irmão de Zezé, na década de 1970.

Neilton era mineiro de Perdizes, mas vivia em Goiás há cerca de 40 anos. Ele teve quatros filhos, dois quando ainda era solteiro e outros dois quando se casou. Passou os últimos anos em Aparecida de Goiânia com a mulher e as duas filhas mais novas. Quando perguntada sobre a profissão do pai, uma das filhas do sertanejo, a advogada Janaine Borges da Cruz, 28 anos, é taxativa: ele era cantor. ?Teve uma época em que ele até vendeu peixes e fez bicos para se sustentar, mas era cantor?, afirma. Neilton não fazia shows há algum tempo, mas, às vezes, participava de shows de amigos.

Ele também chegou a formar a dupla Neilton e Amarílio, falecido há dois anos. Eles gravaram apenas um CD. Neilton gravou ainda um CD solo ?Cuida de você para mim?, com 12 músicas de Ney Nando, Antônio Bueno, Nilton Lamas, Itamaracá, Maria Zélia (esposa do cantor Soleny, da dupla Solevante e Soleny), Sandro Lúcio e José Domingues.

Talento

Neilton conheceu Zezé quando o atual parceiro de Luciano ainda era conhecido por Mirosmar e fazia a dupla Camargo e Camarguinho com o irmão Emival Camargo, que morreu ainda criança, aos 11 anos, em um acidente de carro no ano de 1975. ?Meu pai ficou encantado com o talento dele?. Os dois se reencontraram depois da morte de Emival?, diz Janaine.

Na dupla Neilton e Mirosmar, Neilton fazia a segunda voz e tocava violão. Zezé di Camargo era a primeira voz e o seu instrumento era o acordeão. A diferença de idade entre os dois era de 13 anos. O pai de Zezé di Camargo e Luciano, Francisco de Camargo, ficou surpreso com a notícia. ?Sou amigo da família. Acho esquisito ele ter morrido e não terem me avisado?, falou.

?Quando fez sete dias que o Emival morreu, nós fomos à sepultura dele e depois passamos no extinto programa do Coronel Hipopótamo [transmitido pela TV Anhanguera, afiliada da Rede Globo em Goiás]. O Zezé pediu um acordeão para tocar e falou chorando. ?Deus levou meu parceiro. Se eu achar um parceiro, vou cantar uma música em homenagem ao irmão. O Neilton estava no auditório e se ofereceu para cantar junto?, recorda-se Francisco de Camargo. No entanto, ele diz que não se lembra o nome dessa música.

De acordo com seu Francisco, os dois cantaram juntos por mais ou menos um ano, entre 1975 e 1976. Depois, a dupla se desfez. ?O Neilton era muito alto e o Zezé pequeno?, afirmou. Seu Francisco disse que não houve brigas ou ressentimentos. ?O Neilton era padrinho [de fogueira, uma espécie de batismo feito durante as festas juninas] do Zezé?.

Depois dessa experiência, Mirosmar adotou o nome de Zezé e passou a integrar o trio Caçulas do Brasil, formado por Zazá, Ataíde e Zezé. Eles chegaram a gravar um disco, mas se separaram. ?Zazá e Zezé formaram uma dupla e chegaram a gravar três discos, mas depois se separaram?, disse. Seu Francisco confirmou que a dupla se desentendeu, mas que não houve brigas. Depois disso, Zezé cantou sozinho por um tempo até formar a dupla Zezé di Camargo e Luciano, com o irmão mais novo, Welson David, em 1991.

Zezé

Janaine comentou que a família perdeu o contato com Zezé di Camargo. Segundo ela, não faziam contato com seu Francisco há cerca de dois anos. ?Ele anda sumido, mas o meu pai também sumiu. Me lembro do seu Chico ao longo da minha todinha, mas não conheço o Zezé. Sei que o meu pai esteve com ele poucos anos depois do sequestro do Wellington [irmão de Zezé, que foi sequestrado em 1999]?, conta.

O encontro aconteceu na fazenda de Zezé di Camargo.?O meu pai gostava muito do Zezé e o Zezé parecia gostar muito dele também. Não houve briga. O único problema do meu pai é que ele queria ter ficado mais tempo com ele, mas não havia ressentimento?, ressalta. Segundo a filha de Neilton, o pai chegou a ajudar a família do amigo quando passaram por necessidades financeiras. Ele também teria dado um acordeão para Zezé.

Fonte: G1