Motociclista ficou paraplégico após "poucas cervejas"

Por volta das 5h, foi encontrado caído de costas no meio fio da avenida Robert Kennedy.

O metalúrgico Roberto Calixto Silgueira, hoje com 32 anos, bebia cerveja na madrugada do dia 19 de feveireiro de 2006 em um bar de Santo André, na região do Grande ABC Paulista, quando decidiu ir para a casa de amigas pilotando sua moto. Elas iam na frente, de carro, enquanto ele seguia o automóvel.

Roberto não viu inconveniente em pilotar a moto durante o trajeto por julgar que não estava completamente bêbado. "Tinha bebido só algumas cervejas, estava perfeitamente lúcido e seguia a apenas 50 km/h", disse.

Por volta das 5h, foi encontrado caído de costas no meio fio da avenida Robert Kennedy. A moto estava ao lado, sem sinais aparentes de colisão. Foi socorrido a um hospital da cidade. O metalúrgico não consegue recordar se foi ele mesmo que bateu contra a calçada ou se algum veículo o fechou. Acordou sem sentir as pernas.

"Imediatamente soube que alguma coisa muito séria tinha acontecido quando não consegui levantar", conta. Depois dos exames de ressonância magnética, o diagnóstico veio: paralisia permanente das duas pernas.

Desde então, o antes fresador ferramenteiro vive de uma pensão do INSS. Precisa de ajuda para as atividades mais simples. Mora com o irmão, duas cunhadas e duas crianças em Diadema.

É um exemplo de que mesmo as menores doses de álcool podem comprometer o reflexo de quem dirige.

Fonte: Terra, www.terra.com.br