Motorista é preso por ofensa racista após invadir área isolada por policiais

Levado para a delegacia, o homem se recusou a fazer o exame de embriaguez, e foi autuado por embriaguez ao volante e injúria por preconceito.

Um homem foi preso no Leblon na manhã deste sábado após furar um bloqueio da CET-Rio que isolava a manifestação próxima à casa do governador Sérgio Cabral e agredir um agente de trânsito com ofensas racistas. Levado para a delegacia, o homem se recusou a fazer o exame de embriaguez, e foi autuado por embriaguez ao volante e injúria por preconceito. Após pagar fiança, foi liberado

O operador de tráfego Allan Kardec Ferreira Marques, de 28 anos, conta que o motorista, identificado apenas como André Luís, de 22 anos, estaria visivelmente alcoolizado e saiu arrastando cones ao furar o bloqueio na Avenida Delfim Moreira, na orla do Leblon.

- Ele não parou no bloqueio na altura da Bartolomeu Mitre, Se eu e meu colega não pulássemos da frente, não seriam os cones debaixo do carro e sim nós. Conseguimos que ele parasse o carro e saísse. Ele estava claramente alcoolizado. Encostei minha mão no ombro dele, para tentar acalmá-lo, e ele gritou: "Tira a mão de mim, seu preto imundo, seu macaco, suas mãos tão imundas". Tenho testemunhas, meus colegas viram. Ficou gritando que era estudante de Direito, que aquilo não ia dar em nada.

Marques afirma que um policial militar que passava pelo local, a caminho de seu plantão de patrulha no Arpoador, parou e conseguiu controlar André. Ainda no local, Marques conta que a família do motorista tentou convencê-lo a não registrar queixa:

- O padrasto dele perguntou se "tinha como resolver isso de uma melhor forma, que ia ser uma perda de tempo, já que não ia dar em nada". Falei que ia levar pra delegacia e registrar queixa.

Ao chegar na 14ª DP (Leblon), André Luís foi encaminhado pelo inspetor de plantão da madrugada para fazer um exame de embriaguez no Instituto Médico Legal (IML)

- Ele não queria ir. A mãe dele disse que ele não tinha que fazer o teste, mas tinha que ir. Enquanto isso, eu dei o meu depoimento. O inspetor anotou, além das minhas declarações, que ele tinha sinais claros de embriaguez - afirma o agente da CET-Rio.

A assessoria da Polícia Civil informou que o homem se recusou a fazer o exame de embriaguez, foi autuado por embriaguez ao volante e injúria por preconceito. Ele pagou fiança, foi liberado e responderá em liberdade.

Fonte: OGlobo